Notícias de Mato Grosso do Sul e Campo Grande

Siderúrgica em MS é obrigada a reintegrar trabalhadores demitidos após greve

Protestaram por ficar sem salários e foram demitidos

Um grupo de 37 trabalhadores de uma siderúrgica de Corumbá –cidade a 444 quilômetros de Campo Grande- deverão ser reintegrados à empresa após serem demitidos de forma arbitrária por participação em greve. Eles paralisaram as atividades, no mês passado, por conta dos frequentes atrasos nos salários e do 13º salário. A decisão é da juíza da Vara do Trabalho de Corumbá, Anna Paula da Silva Santos, que atendeu a pedidos liminares do MPT (Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul).

De acordo com informações divulgadas pelo MPT MS, o sindicato da categoria denunciou retaliação da siderúrgica contra os grevistas. A Justiça determinou na terça-feira (13) que a empresa reintegre, no prazo máximo de 48 horas, os trabalhadores dispensados de forma arbitrária.

Além da reintegração, também foi garantido estabilidade provisória aos trabalhadores, de até um ano após o término do mandato da atual diretoria sindical, sob pena de pagamento de multa diária fixada em R$ 2 mil por trabalhador prejudicado.  

A juíza também acolheu outros requerimentos do MPT MS, como pagamento integral, até o quinto dia útil do mês subsequente ao vencido, do salário devido aos empregados e respeito ao pleno gozo da liberdade sindical. Caso viole essas obrigações, a siderúrgica será multada no valor de R$ 5 mil por trabalhador lesado e por infração verificada.  

Ainda conforme o MPT MS, em novembro do ano passado, a empresa já havia sido notificada extrajudicialmente pelo sindicato por conta dos recorrentes atrasos salariais. Também chegou ao órgão que a empresa efetivou a dispensa por justa causa de 37 grevistas, incluindo membros da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, diretores do sindicato e trabalhadores em gozo de estabilidade acidentária, sob alegação de suposta desídia.

A título de dano moral individual, o MPT MS pediu o equivalente a 50 vezes o valor do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social, como forma de compensar os prejuízos sofridos por cada trabalhador, considerados gravíssimos.

A empresa foca suas atividades no setor siderúrgico, produzindo carvão vegetal e ferro gusa. Sendo atualmente um dos maiores produtores independentes de ferro-gusa no Brasil, segundo informações do site institucional. Além de Corumbá, há operações em Campo Grande (sede), Ribas do Rio Pardo, Água Clara, Brasilândia, Bauru e Belo Horizonte. 

O Jornal Midiamax entrou em contato com a empresa, mas foi informado que somente após às 13 horas haveria algum funcionário disponível para informações. 

Você pode gostar também