Sem escalonamento, vacinação contra gripe começa na próxima semana

Vacina será disponibilizada nas UBS e UBSF da Capital

A campanha de vacinação contra a gripe começa na próxima terça-feira (24) na Capital e não terá escalonamento, conforme a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), que decidiu seguir a recomendação do Ministério da Saúde. A meta é imunizar 197.820 pessoas que pertencem ao grupo de risco. A Dia D está previsto para acontecer no dia 12 de maio.

Conforme a recomendação do Ministério da Saúde, as pessoas que devem ser imunizadas são: as pessoas com 60 anos ou mais; crianças na faixa etária de 6 meses a menores de cinco anos; as gestantes; as puérperas (mulheres até 45 dias após o parto); os trabalhadores de saúde; os povos indígenas; os portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais; os adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas; a população privada de liberdade; os funcionários do sistema prisional e professores (público ou privado) do ensino básico, médio e superior, devem receber as doses.

As 66 UBS (Unidades de Básica de Saúde) e UBSF (Unidades Básicas de Saúde da Família) irão disponibilizas as vacinas das 7h às 11h e das 13 às 16h45. Segundo a Sesau, poderá haver distribuição de senhas para organizar o fluxo de pacientes próximo do encerramento do expediente.

Conforme a Sesau, os indivíduos que pertencem ao grupo de risco devem apresentar o Cartão Nacional de Saúde ou número prontuário da rede de saúde da Capital (Hygia), além do documento pessoal de identificação e caderneta de vacinação para receberem a dose.

As pessoas com doenças crônicas devem apresentar a documentação solicitada e o laudo médico ou atestado da doença, podendo ser aceita cópia do receituário médico recente. Já para as gestantes e puérperas, é necessário apresentar o cartão da gestante, laudo médico ou exames com identificação.

Profissionais de saúde devem levar a carteira do conselho ou holerite. Os indígenas precisam ter o cadastro na Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena). Conforme a Sesau, o controle mais rigoroso de vacinação das pessoas do grupo de risco se dá em função das recomendações do Ministério da Saúde, que não irá disponibilizar doses extras.

Conforme a Sesau, a quantidade de vacinas enviadas para Campo Grande foi estabelecida pelo Ministério da Saúde com os dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e considera a população elegível ou do grupo de risco.

Mais notícias