Cursos da UEMS seguem parados e concurso pode sair até 25 de junho

Alunos decidiram em assembleia até quando paralisação deve prosseguir

Após nove dias, os acadêmicos e professores dos cursos de Geografia, Artes Cênicas e Letras da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), campus de Campo Grande, permanecem paralisados. A manifestação pede a abertura de concurso público para a efetivação de docentes nestas graduações.

Em nota, a UEMS afirma que estudos para a abertura do edital já estão sendo feitos e previsão de publicação até o dia 25 de junho, sendo que serão oferecidas 50 vagas, mas a quantidade por curso ainda não foi definida. O concurso será realizado para preencher vagas nos cursos que participam da manifestação, bem como para cursos oferecidos em outras unidades da UEMS.

De acordo com acadêmicos da Universidade, está prevista para esta sexta-feira (25), uma assembleia extraordinária com os alunos e professores para decidir se a paralisação continuará até a abertura do edital, ou se as aulas voltarão ao normal na segunda-feira (28), quando se esgota o prazo de dez dias previsto no início da greve.

Na visão dos acadêmicos, a manifestação é necessária, pois alegam que a UEMS deu preferência aos cursos de Pedagogia e Medicina na realização de concursos e efetivação de professores, em detrimento aos cursos de Geografia, Artes Cênicas e Letras.

Em relação a isso, a UEMS informa que a realização de concurso para o curso de Pedagogia aberto em março de 2018, foi necessário para cumprir uma demanda do MEC (Ministério da Educação), referentes a abertura de um programa de doutorado no campus de Campo Grande.

Já sobre o curso de Medicina, a UEMS explicou que foi constata a necessidade de professores no curso e a Universidade abriu o processo seletivo para a contratação temporária, mas com a impossibilidade de os docentes permanecerem como temporários, decidiu-se por antecipar a realização do concurso, que neste momento encontra-se em fase de inscrições.

Mais notícias