Cidades atingidas pela enchente do rio Miranda têm economia prejudicada

Destruição de pontes e estradas dificulta escoamento de produção

Municípios atingidos pela cheia do rio Miranda terão economia prejudicada em Mato Grosso do Sul. Jardim e Bonito declararam estado de emergência e calculam os estragos feitos pela enchente. A destruição de pontes e estradas deve dificultar o escoamento da produção e, em apenas uma ponte, o reparo pode custar até R$ 1 milhão. 

Em Jardim, a 239 km de Campo Grande, a cheia no rio Miranda contribuiu para a destruição da ponte do rio dos Velhos. Com o desabamento, uma região produtora de grãos e de boi gordo ficou isolada. A Prefeitura do município irá decretar estado de emergência para captar recursos afim de recuperar a estrutura de pontes e estradas.

A correnteza deslocou um dos blocos da ponte de concreto e interrompeu o tráfego na estrada vicinal que dá acesso à área serrana do município, distante 25 km da cidade. Segundo o secretário de infraestrutura, Geraldo Alencar, após o desabamento, 60 pessoas ficaram sem acesso. “De danos, vai ficar R$ 1 milhão só nesta ponte. A ponte do rio Perdido  também está sem acesso e compromete a colheita das lavouras”, conta. O município ainda não tem dados sobre o total em estragos feitos pela enchente. Cidades atingidas pela enchente do rio Miranda têm economia prejudicada

Na cidade vizinha, Bonito, a 300 km da Capital, já são calculados mais de R$ 8 milhões em prejuízos para o setor público e privado. Destes, R$ 6 milhões são de danos para a agropecuária e o turismo. A área atingida pela enchente foi o distrito Águas do Miranda, a Prefeitura decretou situação de emergência ainda na quarta-feira (21), quando 60 famílias de Águas do Miranda foram desabrigadas.

Cidades atingidas pela enchente do rio Miranda têm economia prejudicada
Mais notícias