Manifestantes fazem contraponto às comemorações de aniversário de MS

‘Momento de indignação com várias bandeiras’

Manifestantes ocuparam a frente da do prédio da Fundação de Cultura em Campo Grande na tarde desta terça-feira (10). Aproveitando os festejos de aniversário de criação do Estado, eles pretendem fazer um contraponto e dizer que “não está tudo bem” em Mato Grosso do Sul.

Cultura, agricultura familiar, demarcações terras e direitos indígenas são algumas das reivindicações do grupo, que saiu da Praça Ary Coelho, passou pelo Cijus (Centro Integrado de Justiça), que fica na rua Sete de Setembro e chegaram à Fundação de Cultura.

“Os projetos de cultura de 2015 não foram pagos. Os editais de 2016 e 2017 não foram lançados. O governo cortou a maior parte do recurso que vai para a agricultura familiar. Suspendeu cestas básicas para as comunidades indígenas. Não paga o piso mínimo da educação e alegam que não tem recurso. E lembramos que o governo está envolvido na Lama Asfáltica, escândalo da JBS e ainda tem o Aquário do Pantanal e a Máfia do Câncer. Dinheiro existe”, elenca o ator Fernando Cruz, de 54 anos.

Manifestantes fazem contraponto às comemorações de aniversário de MS“Estamos em um momento de indignação com várias bandeiras. Estamos fazendo contraponto, não está tudo bem. Existem parcelas da sociedade que não tem oportunidade de inclusão. Nesse circuito de economia só participa quem tem poder econômico e político e a sociedade vai pagar o custo, porque o custo ambiental é coletivo”, defende Thiago Carvalho, professor de geografia.

De acordo com Fernando, diversos pedidos já foram protocolados em três anos e os prazos dados pelo governo não foram cumpridos. “Então nós cansamos, em 40 anos levamos uma rasteira”, finaliza.

Durante a manifestação, o grupo entoou palavras de ordem e cantou um ‘parabéns’ às avessas. Assista:

 

Manifestantes fazem contraponto às comemorações de aniversário de MS
Mais notícias