Governo ainda formata proposta de usar dinheiro da dívida para indenizar fazendeiros

Azambuja não vai aproveitar visita de Dilma para falar sobre assunto

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) disse na manhã desta quinta-feira (29), durante o lançamento do Portal da Transparência, que o governo estadual não vai aproveitar a visita da presidente Dilma Rousseff na sexta-feira (30), pedir que a União destine valores da dívida do Estado para a indenização de fazendeiros referentes a áreas declaradas indígenas.  

Para tentar resolver o impasse entre indígenas e produtores rurais, Azambuja disse que ainda “está formatando o documento” e que se o governo Federal abrir mão de receber a dívida por 3, 4, ou 5 meses, ele poderia aquirir as terras, doar para União e indenizar os proprietários. 

A ideia de destinar o dinheiro da dívida do Estado com a União para as indenizações foi debatida semana passada no plenário da Assembleia Legislativa. Pela proposta, o governo estadual deixaria de repassar à União, por seis meses, cerca de R$ 100 milhões mensais referentes à dívida do Estado, depositando o dinheiro em um fundo para indenização de donos de fazendas localizadas dentro de áreas declaradas indígenas. Somente de juros, a dívida com a União rende R$ 86 milhões. 

A presidente Dilma Rousseff irá a Três Lagoas, a 356 quilômetros de Campo Grande, onde vai participar da solenidade de lançamento da pedra fundamental do projeto Horizonte 2, executado pela Fibria, empresa do ramo de processamento de celulose. Também deve ser tratado com a presidente sobre a retomada das obras da fabrica de fertilizantes UFN-3. “É importante colocar em andamento para gerar emprego e melhorar a economia”, disse o governador.

Governo ainda formata proposta de usar dinheiro da dívida para indenizar fazendeiros
Mais notícias