Brasil

Gabigol, do Flamengo, é flagrado pela polícia em cassino clandestino em São Paulo

Atacante, aguardado na reapresentação do Rubro-Negro, havia se escondido embaixo de uma mesa. MC Gui também estava no local.

Agência Estado Publicado em 14/03/2021, às 09h06 - Atualizado às 09h09

Gabigol, do Flamengo, foi flagrado em cassino clandestino. (Foto: Reprodução)
Gabigol, do Flamengo, foi flagrado em cassino clandestino. (Foto: Reprodução) - Gabigol, do Flamengo, foi flagrado em cassino clandestino. (Foto: Reprodução)

O atacante Gabriel Barbosa, o Gabigol, do Flamengo, foi flagrado em cassino clandestino na madrugada deste domingo (14), na Vila Olímpia, bairro nobre na zona sul de São Paulo. A Polícia Civil fechou o estabelecimento de luxo, que funcionava de maneira ilegal, já que jogos de azar são proibidos no Brasil, e encaminhou o jogador e todas as outras pessoas que estavam no local à Delegacia de Crime contra a Saúde Pública, no Centro de São Paulo.

Segundo a polícia, havia mais de 200 pessoas jogando. No momento da operação, além de Gabriel, o funkeiro MC Gui também foi encontrado dentro do estabelecimento. O jogador estava escondido embaixo de uma mesa.

Os dois, e os outros presentes, incluindo o responsável pelo local e os funcionários, assinaram termo circunstanciado, comprometendo-se a prestar esclarecimentos depois, e foram liberados da delegacia. Não houve prisões.

“Foram conduzidos, na verdade qualificados, por conta da pandemia já para prestar esclarecimento aqui na delegacia, e os funcionários e o responsável pelo local também devem responder por crime contra a saúde pública, jogo de azar e contravenção. Os demais serão ouvidos posteriormente porque senão a gente causaria outra aglomeração aqui”, explicou em entrevista à GloboNews Eduardo Brotero, delegado de polícia e supervisor do Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos).

Além de funcionar de maneira ilegal, o cassino desrespeitou o decreto estadual que proíbe festas e aglomerações durante a pandemia de Covid-19. O Estado de São Paulo regrediu à fase vermelha da quarentena, a mais restritiva, desde o último dia 6 de março para tentar frear o avanço da doença.

Os denunciantes informaram à polícia local que o cassino funcionava há algum tempo e que foram gastos mais de R$ 8 milhões com as instalações luxuosas. No evento, várias pessoas não usavam máscara de proteção contra a Covid-19 ou vestiam o acessório de forma errada. As denúncias chegaram às autoridades, inicialmente, como festa clandestina.

“Ao chegarmos no local, para a nossa surpresa, não se tratava de uma festa clandestina, e sim de um cassino clandestino. Na verdade bastante grande. Com diversas pessoas aglomeradas, se expondo ao contágio novamente”, disse Brotero.

A operação contou com uma força-tarefa com agentes da Vigilância Sanitária, Procon-SP, Corpo de Bombeiros e apoio das Polícias Militar, Civil e da Guarda Civil Metropolitana. O caso dever ser investigado pelo DPPC (Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania).

O episódio ocorre na véspera da reapresentação dos principais jogadores do Flamengo, que ganharam um período de descanso após a conquista do Campeonato Brasileiro. Nesta segunda-feira (15), Gabriel e outros nomes importantes do elenco, como Bruno Henrique e Arrascaeta, são aguardados no Ninho do Urubu para a retomada dos treinos.

Jornal Midiamax