Brasil

Butanvac: Após testes, Instituto Butantan prevê iniciar vacinação em julho com 40 milhões de doses

O Instituto Butantan anunciou durante entrevista coletiva nesta sexta-feira (26) a criação da vacina Butanvac, a nova candidata para imunizar a população contra o coronavírus. O Instituto pedirá autorização à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para iniciar os testes em voluntários. Se tudo der certo, a imunização com a vacina brasileira começa em julho […]

Mylena Rocha Publicado em 26/03/2021, às 10h02

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução) - (Foto: Reprodução)

O Instituto Butantan anunciou durante entrevista coletiva nesta sexta-feira (26) a criação da vacina Butanvac, a nova candidata para imunizar a população contra o coronavírus. O Instituto pedirá autorização à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para iniciar os testes em voluntários. Se tudo der certo, a imunização com a vacina brasileira começa em julho com 40 milhões de doses.

Após a autorização para os testes, o Instituto espera que os testes já sejam realizados em abril. Durante a coletiva, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ainda comentou que a produção deve iniciar em maio e a vacinação pode começar em julho. 

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, acredita que a fase de testes será mais rápida e a vacinação poderá ser iniciada a curto prazo. A vacina é 100% brasileira e tem a mesma tecnologia da vacina da gripe. Segundo Covas, a Butanvac começou a ser produzida há exato um ano.

A nova vacina não deve mudar o cronograma da Coronavac, que é desenvolvida em parceria com o instituto Sinovac e envasada pelo Butantan. O pedido de autorização que será feito à Anvisa diz respeito às fases 1 e 2 dos testes da vacina, quando são avaliadas a segurança e capacidade de resposta do imunizante em voluntários. Já na fase 3, é avaliada a eficácia da vacina.

O Instituto Butantan é o responsável por envasar as doses da vacina Coronavac, que tem insumos vindos da China. Já a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) envasa a vacina de Oxford/Astrazeneca, também com insumos chineses.

Jornal Midiamax