Brasil

Bolsonaro chama pronunciamento em cadeia nacional e decide cancelá-lo minutos depois

Pouco tempo após as emissoras de televisão serem avisadas, o presidente Jair Bolsonaro suspendeu um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV que havia sido anunciado para as 20h30 desta terça-feira (02), publicou o Estado de Minas. Segundo fontes do governo, o chefe do Executivo, em meio à pressão de caminhoneiros e parte da […]

Diego Alves Publicado em 02/03/2021, às 20h17 - Atualizado às 20h25

Foto: Evaristo Sá
Foto: Evaristo Sá - Foto: Evaristo Sá

Pouco tempo após as emissoras de televisão serem avisadas, o presidente Jair Bolsonaro suspendeu um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV que havia sido anunciado para as 20h30 desta terça-feira (02), publicou o Estado de Minas. Segundo fontes do governo, o chefe do Executivo, em meio à pressão de caminhoneiros e parte da população, ressaltaria o decreto que zera os impostos federais do diesel por dois meses e do gás de cozinha (GLP) de forma permanente. De acordo com informações, o presidente estava preparado para gravar, quando desistiu.

Com a agenda oficial livre pela manhã, ele se reuniu com a equipe do governo para confeccionar o texto. A assessoria do Planalto não soube informar o motivo do cancelamento.

Há a possibilidade de que o manifesto seja levado ao ar ao longo da semana, mas o presidente sequer chegou a gravar o vídeo antes da suspensão.

A medida que zera os tributos foi publicada na segunda-feira (1º/03) em edição extra do Diário Oficial da União. Para cumprir a compensação tributária, foi editada uma medida provisória aumentando a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) das instituições financeiras, alterando as regras de Imposto sobre os Produtos Industrializados (IPI) para a compra de veículos por pessoas com deficiência, que passa a ter limite de R$ 70 mil, e encerrando o Regime Especial da Indústria Química (Reiq).

De quebra, o mandatário ainda voltaria a reforçar pressão sob governadores sobre o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) estadual. No último dia 12 de fevereiro, a apoiadores, na saída do Palácio da Alvorada, o chefe do Executivo ressaltou que a população deveria “culpar as pessoas certas” pela crise. Na mesma data, o mandatário alfinetou governadores e criticou a bitributação dos combustíveis: “(Os governadores) Jogam a população contra o governo federal como se fosse o único a arrecadar”, apontou.

Reajustes

Os preços da gasolina e do diesel estão mais caros a partir de hoje nas refinarias. Segundo a Petrobras, os reajustes são de 4,8% e 5%, respectivamente. É o quinto aumento do ano no caso da gasolina, que passa de R$ 2,48 para 2,60 por litro. Para o diesel, é a quarta elevação, com o litro do produto saindo de R$ 2,58 para R$ 2,71.

Ainda segundo interlocutores, o presidente também comentaria sobre a política de lockdown em meio à pandemia de COVID-19. Ele já afirmou que os governadores que “fecham tudo estão na contramão do que o povo quer”. (Informações do Estado de Minas)

Jornal Midiamax