Roberto Alvim é demitido da Secretaria Especial da Cultura, diz revista

Depois de publicar vídeo com apologia ao nazismo e discurso copiada de Joseph Goebbels, o secretário especial de Cultura, Roberto Alvim, acaba de ser demitido do governo Jair Bolsonaro. A situação de Alvim ficou “insustentável” com a divulgação do vídeo em que ele copia um trecho do discurso do ministro da Propagada do Nazismo, Joseph Goebbels. O anúncio deve ser feito nas próximas horas, mas o Planalto não deve entrar em detalhes sobre os motivos, já que a declaração gerou muito desconforto na cúpula e entre apoiadores do governo – especialmente entre representantes de Israel e a bancada evangélica. As informações são da Revista Fórum.

Bolsonaro também usa tática nazista ao divulgar vídeo atacando jornalistas: “Tomem vergonha na cara”
Alvim, que foi alçado à Secretário especial de Cultura no fim de outubro, divulgou uma nota na manhã desta sexta-feira (17) em sua conta particular no Facebook dizendo que foi “apenas uma coincidência retórica” o uso de uma frase de Goebbels no vídeo publicado no perfil oficial da secretaria na noite desta quinta-feira (16).

“Não há nada de errado com a frase. Todo o discurso foi baseado num ideal nacionalista para a Arte brasileira, e houve uma coincidência com UMA frase de um discurso de Goebbles. Não o citei e jamais o faria. Foi, como eu disse, uma coincidência retórica. Mas, a frase em si é perfeita: heroísmo e aspirações do povo é o que queremos verna Arte nacional”, escreveu.

O objetivo do vídeo era divulgar o Prêmio Nacional das Artes, apresentado horas antes em live com a participação do próprio presidente. Um dos trechos foi destacado diretamente do discurso do ministro nazista.

Compare abaixo os dois discursos:

“A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada”, disse Goebbels em pronunciamento para diretores de teatro, de acordo com o livro “Goebbels: a Biography”, de Peter Longerich.

“A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada”, afirmou Alvim no seu vídeo.

Saiba quem foi Joseph Goebbels, ministro nazista citado por secretário olavista de Bolsonaro
Forma e conteúdo
Não só a fala, como também a estética do vídeo, o tom de voz e a aparência do secretário, além do vocabulário e da trilha sonora também fizeram várias personalidades compararem a divulgação à propaganda nazista.

A música de fundo usada por Alvim é um trecho da ópera “Lohengrin”, de Richard Wagner, uma obra que Hitler contou em sua autobiografia ter sido decisiva em sua vida

Repercussão

O vídeo com elementos nazistas foi rechaçado até mesmo por conservadores extremos, como o guru Olavo de Carvalho, um dos responsáveis pela doutrinação de Alvim. Olavo disse que o vídeo sinalizaria que o secretário estaria ficando maluco.

Josias Teófilo, cineasta olavista que foi confidente de Alvim, foi o primeiro a defender a demissão do ex-colega, com quem rompeu em dezembro. “Esse vídeo é assustador”, declarou.
A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pediu a exoneração imediata de Alvim e o deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP) anunciou que pedirá o indiciamento do ex-secretário pelo crime de apologia ao nazismo.