Palhaço mais velho do Brasil morre aos 77 anos vítima de coronavírus

"Chumbrega", como era conhecido, se apresentava junto ao filho, o Palhaço Pankeka

O palhaço Chumbrega, considerado o mais antigo do Brasil, morreu em Jundiaí, interior de São Paulo, vítima do novo coronavírus. Aos 77 anos, Athos Silva Miranda se apresentava no Circo Di Napoli e chegou a ficar intubado em uma UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

“Chumbrega”, como era conhecido, deu entrada no Hospital das Clínicas de Jundiaí (SP) no dia 17 de julho. A partir daí, teve sucessivos quadros de instabilidade durante o tratamento contra o novo coronavírus. Ele foi transferido para o Hospital de Caridade São Vicente de Paulo devido a necessidade de internação em uma UTI. Chumbrega conseguiu se recuperar, mas sofreu uma inflamação nos rins e não resistiu.

Nascido no ano de 1943, em Birigui (SP), Athos era considerado o artista circense mais velho em atividade, e atuava no Circo Di Napoli até a paralização dos espetáculos, em Campo Limpo Paulista (SP), devido a pandemia. Ele fazia dupla com o filho, o Palhaço Pankeka.

Em nota no Facebook, lamentando a perda, o Circo classificou Athos como “uma pessoa que distribuía conselho e sabedoria à todos” e relatou que a equipe sentirá saudade. “Lembre-se Chumbrega, de onde estiver, você marcou história, deixará muitas saudades e amamos muito você!”.

Athos trabalhou nos s Di Roma, Spacial, Charles Barry, Beto Carrero, Marcos Frota e Stankowich, que é considerado o mais antigo do Brasil. Ele foi enterrado no Cemitério Bosque da Saudade, em Campo Limpo Paulista.

(Com informações do portal de notícias Meia Hora)

Palhaço mais velho do Brasil morre aos 77 anos vítima de coronavírus
Mais notícias