Palácio do Itamaraty será restaurado no Rio e deve gastar R$12,5 milhões

Desse valor, R$ 3,9 será apenas para prevenção e combate a incêndios no prédio

O Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico) montou uma força-tarefa para restaurar o Palácio do , no Rio de Janeiro. Ao todo serão investidos R$ 12,5 milhões, financiados pela Lei Rouanet, emendas parlamentares e BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

O foi sede do Ministério das Relações Exteriores por décadas, e atualmente ainda abriga uma representação do ministério. A iniciativa da força-tarefa também conta com o Ministério do Turismo e a Secretaria Especial de Cultura.

R$6,6 milhões são advindos da Leiu Rouanet, R$2 milhões de emendas parlamentares e R$3,9 milhões do BNDES – este, usados exclusivamente para planos de combate e prevenção a incêndios.

O prédio foi construído em 1850 por encomenda do barão de e foi uma das primeiras a ser tombada pelo Iphan, no ano de 1938. A arquitetura do prédio é de composição neoclássica com fundo italiano.

Construído em 1850, por encomenda do barão do , a edificação foi uma das primeiras a ser tombada pelo Iphan, em 1938.

Segundo o instituto, o prédio tem composição neoclássica francesa de fundo italiano. O edifício já foi residência do barão do Rio Branco, sede do Governo Republicano (de 1889 a 1897) e sede do Ministério das Relações Exteriores até 1960, ano em que foi transferido para Brasília.

Atualmente, o Palácio do no Rio abriga uma representação do Ministério das Relações Exteriores.

(Com informações da Agência Brasil)

Palácio do Itamaraty será restaurado no Rio e deve gastar R$12,5 milhões
Mais notícias