Hackers divulgam supostos dados pessoais de Bolsonaro e filhos

Em vídeo, a organização ameaça expor "muitos crimes" cometidos pela polícia em todo o mundo

Perfis no Twitter que dizem pertencer ao grupo Brasil divulgaram na noite desta segunda-feira, 1º, supostos dados pessoais do presidente Jair Bolsonaro, seus filhos Carlos, Eduardo e Flávio, além de integrantes do governo e aliados do presidente, como a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e o ministro da Educação, Abraham Weintraub. Uma das contas que vazou os dados foi suspensa minutos depois e o site onde estavam armazenadas as informações saiu do ar.

A atua em outros países e ressurgiu no último domingo, dia 31, após desdobramentos do caso de George Floyd, homem negro assassinado durante uma abordagem policial nos Estados Unidos. Em vídeo, a organização ameaça expor “muitos crimes” cometidos pela polícia em todo o mundo.

A conta que – vazou supostos dados de autoridades brasileiras nesta Segunda – estava sem publicar no Twitter desde outubro de 2018. No último domingo, anunciou a volta. “Chamado #BrazilNeedsHelp. Estamos preparando nosso barco! Logo teremos vazamentos de dados, estamos preparando. # #AntiFascista #Antifa Ajude com RT”, diz uma publicação. No Twitter, as hashtags (palavras-chaves) #Anomymous e #brasil estavam entre as mais comentadas da madrugada.

O perfil afirma ainda que outras contas “hacktivistas” estão sendo reativadas na rede social. Além de Bolsonaro e seus filhos, tiveram os supostos dados vazados o deputado estadual Douglas Garcia, aliado do presidente, os ministros Abraham Weintraub e Damares Alves, e o dono da Havan e também aliado de Bolsonaro, Luciano Hang. Entre os dados vazados estão informações como e-mails, telefones, endereços, perfil de crédito, renda, nomes de familiares e bens declarados.

Garcia confirmou o vazamento de seus dados pelo grupo e afirmou que irá fazer um boletim de ocorrência. “ Brasil, de forma criminosa, acaba de divulgar todos os meus dados nas redes sociais. Para que colocar os meus familiares em risco? Para que divulgar o endereço de minha casa? Os lugares em que trabalhei? Estou indo agora mesmo na delegacia fazer um boletim de ocorrência”, escreveu o deputado.

A conta americana, que acumula mais de 4,9 milhões de seguidores, mencionou o presidente Jair Bolsonaro no domingo. “Algo que as pessoas devem olhar no Brasil é investigar se Bolsonaro tem algum vínculo com o traficante e estuprador de crianças John Casablancas, um associado próximo de Trump que atuou como proxy (termo que designa servidores intermediários) para os negócios de Trump no Brasil sob algum cargo obscuro e indefinido”, escreveu.

Hackers divulgam supostos dados pessoais de Bolsonaro e filhos
Mais notícias