Governo pede ao STF autonomia sobre destino de verbas de condenações da Lava Jato

O governo argumenta que não cabe ao Judiciário fixar a aplicação das verbas sem a participação dos órgãos competentes

A Advocacia-Geral da União () foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça-feira, 14, pedir autonomia para decidir sobre a destinação de recursos relativos a restituições e multas de condenações ou acordos da Operação Lava Jato. O governo argumenta que não cabe ao , provocado pelo Ministério Público Federal, fixar a aplicação das verbas sem a participação dos órgãos competentes para a execução orçamentária

“A destinação desses valores cabe à União, desde que não haja vinculação legal expressa e ressalvado o direito de demais entidades lesadas”, sustenta o advogado-geral da União, José Levi Mello.

Na avaliação da , não é adequado que o Ministério Público e o Poder ‘pretendam realizar atividade própria do Poder Executivo, que é a administração do orçamento público’, sob risco de comprometer o princípio da separação dos Poderes ao avançarem em prerrogativa do governo federal.

“A admissão de que membros do Poder possam, a requerimento do Ministério Público e sem a participação dos órgãos competentes para a execução orçamentária, conferir destinação discricionária a verbas oriundas de avenças celebradas no microssistema de combate à corrupção tem potencial para abalar significativamente o equilíbrio entre os poderes”, escreveu José Levi.

A manifestação da foi feita em uma ação conjunta apresentada pelo PT e , em março do ao passado, para pedir que o Supremo interprete as leis Anticorrupção, das Organizações Criminosas e de Lavagem de Dinheiro de forma que impeça a procuradoria de gerir multas pagas por empresas que assinem acordos de leniência

A oposição apresentou a ação depois que a da Lava Jato no Paraná propôs a criação de um fundo independente para financiar projetos de combate à corrupção com os bilhões obtidos em acordo extrajudicial firmado com a Petrobrás no exterior. A estatal chegou a depositar cerca de R$ 2,5 bilhões em uma conta vinculada à 13ª Vara Federal de Curitiba, seção responsável pela operação, em acordo homologado pela juíza federal Gabriela Hardt.

Governo pede ao STF autonomia sobre destino de verbas de condenações da Lava Jato
Mais notícias