Documento da PF e MP encontra elos entre Adriano e acusado de matar Marielle

Adriano Magalhães, conhecido como chefe do "Escritório do Crime", utilizada a mesma concessionária que Lessa, acusado de matar Marielle

Um relatório de parceria entre a PF () e o MP-RJ (Ministério Público do ) encontraram um elo entre Adriano Magalhães Nóbrega e o acusado de matar a vereadora e o motorista Anderson Gomes, Ronnie Lessa. De acordo com o documento, Adriano usava a mesma concessionária de carros de luxo que Lessa havia pesquisado na internet.

Adriano foi morto na Bahia e era conhecido como o chefe do “Escritório do Crime”. Segundo informações do site Uol, o chefe do Escritório do Crime frequentava uma concessionária de carros de luxo na Barra da Tijuca, no . Assim, o documento afirma que o mesmo local foi pesquisado por Lessa na internet e era frequentado antigamente por Márcio Mantovano, homem de confiança do acusado de assassinato, que está preso.

“O estabelecimento Garage Store é suspeito de transacionar com Adriano da Nóbrega, alvo da Operação Intocáveis, e foi pesquisado por Ronnie Lessa junto à ferramenta ”, afirma o documento revelado pelo site. Entretanto, um dos donos da concessionária, negou transações comerciais com Adriano ou com Lessa. O mesmo dono também não foi chamado para depor às autoridades.

Ronnie e Adriano

De acordo com o site Uol, Ronnie Lessa e Adriano Magalhães da Nóbrega se conhecem desde a época que atuavam na Polícia Militar do . Ambos tiveram passagem pelo Bope (Batalhão de Operações Especiais) e atuaram ilegalmente como seguranças para bicheiros cariocas.

A reportagem lembrou que em agosto de 2018, Adriano prestou depoimentos à DH (Delegacia de Homicídios) do sobre as mortes de Marielle e Anderson. Na ocasião, ele afirmou que não lembrava do local que estava no momento do atentado. Por fim, quando questionado sobre Lessa, afirmou apenas “conhecê-lo da Polícia Militar”, sem entrar em detalhes.

Documento da PF e MP encontra elos entre Adriano e acusado de matar Marielle
Mais notícias