Convidado por Bolsonaro, Temer terá de pedir aval da Justiça para ir ao Líbano na esteira de mega-explosão

País se encontra em crise após desastre no porto de Beirute

Convidado pelo presidente (sem partido) para chefiar a missão brasileira de ajuda ao Líbano – na esteira da mega-explosão que destruiu a região portuária de Beirute -, o ex-presidente terá de pedir autorização da Justiça para deixar o País. Isso porque, após deixar a presidência da República, no início de 2019, Temer teve a prisão decretada duas vezes e virou alvo de vários processos em Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Ele é apontado como chefe de uma organização criminosa há 40 anos, de acordo com delação da Lava Jato.

O plano é enviar um avião KC-390 com medicamentos, mantimentos e outras doações para ajudar o país médio-oriental que está mergulhado em caos após a explosão que matou mais de uma centena de pessoas na região do porto. Ontem, a polícia de Beirute usou gás lacrimogênio para dispersar manifestantes que bloquearam uma via próxima ao Parlamento, no segundo dia de manifestações contra o governo.

Mais cedo, renunciaram o ministro das Finanças, Ghazi Wazni; a ministra da Justiça, Marie Claude Najm; o ministro da Informação, Manal Abdel Samad; e o ministro do Meio Ambiente, Damianos Kattar.

ão Brasileira

A ajuda humanitária que o Ministério da Saúde brasileiro enviará ao Líbano nesta semana incluirá 300 ventiladores pulmonares mecânicos e 100 mil máscaras cirúrgicas, de acordo com informações da rede de notícias CNN. O plano é enviar um avião KC-390 com medicamentos, mantimentos e outras doações para ajudar a nação árabe.

Ajuda Internacional

Líderes internacionais se uniram em uma conferência conduzida pela França e a Organização das Nações Unidas na esteira da explosão devastadora que castigou os libaneses. Eles ofereceram cerca de US$ 300 milhões em assistência humanitária.

Nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump também anunciou que vai oferecer “ajuda substancial” ao Líbano, mas não especificou o montante. Já o Fundo Monetário Internacional (FMI), com sede em Washington, disse que está disposto a redobrar esforços para ajudar o Líbano, mergulhado em uma crise financeira. Como de costume, o fundo disse que as instituições do país precisam mostrar disposição em conduzir reformas.

Convidado por Bolsonaro, Temer terá de pedir aval da Justiça para ir ao Líbano na esteira de mega-explosão
Mais notícias