Bolsonaro reafirma que não haverá tabelamento para combater aumento de preços

Presidente atribui o alta no preço do arroz ao aumento do consumo

O presidente voltou a dizer que o governo federal não adotará o tabelamento para combater a alta de preços de produtos que tiveram aumento recente, como o arroz. Ele também destacou que não haverá “canetaço” ou diminuição de tarifas como em anos anteriores.

As declarações foram feitas para apoiadores que esperavam o presidente em frente ao na noite desta segunda-feira, 14.

“Não vai haver tabelamento de nada, não vai haver canetaço, diminuição de tarifa na mão grande, como foi feito no passado”, respondeu a um apoiador que pediu a diminuição do preço da gasolina.

“Obviamente temos a preocupação de combater possíveis excessos, mas ninguém vai tabelar nada e nem interferir no mercado. Isso já foi testado no passado, já foi feito no passado e não deu certo”, disse.

O presidente atribui o alta no preço do arroz ao aumento do consumo.

“Houve um excesso de recursos no mercado, quase R$ 50 bi por mês, muito papel na praça, vem inflação. Aumentou um pouco o consumo. Agora não tem que ninguém se apavorar, querer fazer reserva de mantimento em casa daí piora a situação”, disse

Bolsonaro afirmou ainda que o governo tem tomado as ações necessárias para que o preço volte a média normal.

“Agora nós estamos tomando as providências necessárias para voltar à normalidade. Abrimos a importação de 400 mil toneladas de arroz dos Estados Unidos, e a gente espera que a situação se normalize o mais rápido possível aí”, declarou o presidente.
Bolsonaro reafirma que não haverá tabelamento para combater aumento de preços
Mais notícias