Bolsonaro diz que Mandetta não tem humildade, mas não irá demiti-lo durante a ‘guerra’

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (02) que falta humildade ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, mas não pretende demiti-lo. Bolsonaro argumentou que não irá demitir o ministro da Saúde durante a “guerra”, em referência à atuação dele contra a pandemia do novo coronavírus, mas admitiu publicamente que tem tido problemas com o auxiliar.

“Não pretendo demiti-lo durante a guerra”, disse Bolsonaro, em entrevista ao programa Pingo nos Is, da Rádio Jovem Pan, ao não garantir a permanência dele à frente da pasta após a pandemia.

Durante a entrevista, o presidente reconheceu que ele e Mandetta estão se “bicando há um bom tempo”. Para ele, o ministro da Saúde em algum momento “extrapolou” e tem tido falta de “humildade”.

O Estadão publicou que os dois têm protagonizado embates sobre a atuação do governo federal na tentativa de controle ao coronavírus. O presidente tem defendido relaxamento de medidas de isolamento social para evitar o agravamento da crise econômica. Já Mandetta, tem respaldado ações de contenção de governos estaduais e municipais para evitar uma maior propagação do vírus.

Bolsonaro disse que nenhum ministro do seu governo é indemissível e considerou que, em alguns momentos, Mandetta deveria ouvir um pouco mais o presidente. Destacou que Mandetta cuida da Saúde, o ministro Paulo Guedes da economia e ele atua no meio. Avaliou que não tem nenhum problema com Guedes, mas Mandetta quer fazer valer a sua posição.

“Tem faltado um pouco de humildade ao Mandetta”, disse. Para Bolsonaro, o clima de histeria e pânico contagiou parte dos profissionais do Ministério da Saúde.

“É igual numa guerra. Numa guerra, a gente vai perder soldados”, disse. “Boa sorte ao Mandetta, espero que ele prossiga na sua missão com um pouco mais de humildade”, reforçou.

Bolsonaro diz que Mandetta não tem humildade, mas não irá demiti-lo durante a ‘guerra’
Mais notícias