Autorizamos cloroquina ‘sem seguir o que nos guia, a Ciência’, admite presidente do CFM

Mauro Luiz de Britto Ribeiro afirmou em entrevista que não há prova da eficácia do medicamento contra a covid-19

O presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Mauro Luiz de Britto Ribeiro, afirma que a decisão de liberar prescrição de cloroquina e hidroxicloroquina para casos leves do coronavírus não segue a ciência, mas teve de ser tomada para regrar o uso descontrolado da droga no Brasil e colocar “ponto final” na polarização sobre o tema.

O que muda com o parecer?

Não havia permissão para prescrever a cloroquina. O que fizemos foi liberar o uso. Não recomendar.

Mas médicos já prescreviam…

Estavam prescrevendo. Sob risco. O CFM tem a competência de decidir o que é experimental e o que não é. Na realidade, da forma como estava, o médico estava sujeito a todo tipo de ação. Agora está respaldado.

O CFM espera que aumente a prescrição da cloroquina?

Acreditamos que não. Já tem muita gente usando. Estamos numa situação diferente de tudo o que já enfrentamos. É uma doença que pega uma cadeia. Isola pessoas. E não existe tratamento farmacológico.

Por que escolheram uma reunião no Palácio do Planalto, com o presidente Bolsonaro, para anunciar este parecer?

Já estávamos acompanhando o uso da cloroquina. Mas o ex-ministro (Luiz Henrique) Mandetta fez solicitação de posicionamento sobre a hidroxicloroquina. Ele representa o governo. E essa questão foi politizada. O posicionamento do CFM foi solicitação do ministro de Bolsonaro. O que fizemos foi levar a Bolsonaro o posicionamento oficial do CFM, para depois divulgar ao País.

O CFM não acaba entrando nessa jogada de polarização?

Não. Todas as manifestações do CFM, todas, são no sentido de tirar atenção desta questão.

É seguro prescrever o medicamento para casos leves?

Se você for pensar, o CFM autorizou o uso da droga sem seguir aquilo que nos guia, que é a ciência. O que nos guia é a medicina baseada em evidência, são grandes trabalhos, publicados em grandes revistas. Rigorosos. Que não temos em relação à hidroxicloroquina. É uma excelente medicação para outras doenças, mas para a covid não existe nada. Neste caso, como não temos nada e a doença é devastadora, decidimos liberar o uso da droga.

Bolsonaro trocou o ministro. Havia discordâncias e o presidente quer o fim da quarentena. Ele segue participando de manifestações e índices de isolamento caem. Isso preocupa o CFM?

A preocupação do CFM é com o que vai acontecer nos próximos 30 e 60 dias com a população brasileira. Aparentemente as medidas do presidente Bolsonaro e de Mandetta foram eficazes. Torcemos que a curva continue caindo.

Autorizamos cloroquina 'sem seguir o que nos guia, a Ciência', admite presidente do CFM
Mais notícias