Seminário discute questões que envolvem adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas

Assessoria

Seguem nesta sexta-feira (16.8), na Capital, as discussões do seminário coordenado pela Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), com foco nos adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas. As discussões do evento já mostraram, por exemplo, que em 2018 mais de 21 mil adolescentes em MS cumpriram algum tipo de medida socioeducativa.

Profissionais dos 79 municípios do Estado, que atuam direta ou indiretamente nos serviços socioassistenciais de atendimento aos adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas em meio aberto, participam do evento.

Na abertura do seminário, ocorrida ontem, a superintendente da Política de Assistência Social da Sedhast, Salette Marinho de Sá, pontuou a importância do momento. “Estou muito feliz, muito grata por esse momento. É muito importante o gestor municipal acompanhar momentos como esse, pois é no município que acontece tudo. Mais uma vez reafirmo nosso compromisso, enquanto Secretaria de Estado, com os municípios de MS. Nós precisamos desse mergulho, dessa dedicação para juntos pensarmos como atuar no plano de atendimento socioeducativo, com cada um de nós falando do lugar de onde está. Esse é o nosso maior compromisso, de entender onde estamos e o que podemos fazer. Precisamos acolher esses adolescentes e suas famílias”, declarou.

Para o defensor público-geral de Mato Grosso do Sul, Fábio Rogério Rombi da Silva, é o momento de reafirmar os compromissos e buscar caminhos para esses adolescentes. “Na qualidade de defensor público-geral do Estado fiz questão de estar presente na abertura deste evento para materializar e deixar claro que a Defensoria Pública de MS assume compromisso formal para com a causa da infância e da adolescência em nosso Estado de MS. Nós estamos perdendo nossos adolescentes para o mundo do crime. Nós precisamos tentar reverter esse quadro e o trabalho de todos nós é muito relevante. Os nossos jovens precisam de nosso apoio para se reerguer e encontrar novas alternativas. Nós temos a capacidade e a missão para executar esse trabalho”, disse.

O coordenador da Escola de Conselhos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Angelo Motti, destacou a importância do encontro e as reflexões que com ele podem surgir. “Ainda vivemos sob um império de uma cultura que delega sempre ao poder público resolver todos os problemas. A sociedade pouco ainda se percebe nesse processo, como tal a comunidade e a família tem essa cultura muito forte de transferir pros entes públicos essas questões. Sempre é bom a gente refletir as nossas práticas, nosso cotidiano, novas possibilidades e a universidade é sempre muito parceira nesse processo. Esse evento tem essa marca de colocar o conhecimento à disposição e também de levar para as universidades as realidades de cada município. Parabenizo a Sedhast pela realização deste momento”, pontuou.

Também compuseram a mesa de abertura do evento o deputado estadual, Lídio Lopes; Maria Cristina Gomes, presidente do Conselho Estadual de Assistência Social (CEAS/MS); Fabrícia Lima, representante do Ministério Público de MS; Marta Santana, assistente social da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) e Oraldino Centurião, representante do Colegiado Estadual de Gestores Municipais da Assistência Social de Mato Grosso do Sul (Coegemas/MS).

Mais notícias