Publicidade

Presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira é alvo de operação da PF

Polícia Federal faz busca e apreensão em dois endereços relacionados ao senador em Teresina (PI)

Ciro Nogueira durante sessão no Senado. (Foto: Moreira Mariz/Agência Senado)

Do G1

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quinta-feira (27) operação de busca e apreensão em dois endereços relacionados ao senador Ciro Nogueira (PP-PI), em Teresina, no Piauí.

Os mandados foram autorizados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em inquérito que apura os crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa supostamente praticados por empresários, políticos e doleiros.

A defesa do senador criticou a decisão judicial que autorizou a operação. “Uma busca baseada em uma delação antiga, dentro de um inquérito aberto há tanto tempo e determinada a 10 dias das eleições é uma verdadeira intromissão do Poder Judiciário no processo eleitoral”, disse em nota.

“A defesa não se preocupa em absoluto com o que foi apreendido, mas denuncia o uso eleitoral que certamente se fará desta decisão judicial inoportuna, inadequada e desmedida neste momento”, disse o advogado do senador.

Ciro Nogueira é presidente do Partido Progressistas (PP) e candidato à reeleição no Senado. De acordo com a pesquisa Ibope divulgada no fim da semana passada, Ciro Nogueira liderava as intenções de voto para senador no estado, com 36%.

Na operação desta quinta, a PF fez buscas foram na sede do PP em Teresina e na casa de um funcionário do partido.

Inquérito no STF

As investigações tiveram início a partir de acordos de colaboração premiada firmados por executivos da empreiteira Odebrecht com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Segundo investigadores, os depoimentos dos empresários apontaram os caminhos percorridos pelo dinheiro que teria sido desviado de obras públicas concedidas à empresa.

Íntegra da nota da defesa do senador Ciro Nogueira

O Senador Ciro Nogueira foi citado nas delações da UTC e da Odebrecht. A delação da UTC deu ensejo a uma denúncia feita pela PGR que foi rejeitada pelo Supremo Tribunal Federal. Nela o Supremo desconsiderou o valor probatório mínimo da delação e sequer permitiu a abertura do processo penal contra o Senador. A outra delação, da Odebrecht, fez com que fosse aberto o Inquérito 4407 no Supremo. Esta delação, bastante conhecida, é antiga. O Inquérito está aberto no Supremo Tribunal há 18 meses. A Defesa indaga o porquê de ser determinada busca e apreensão contra o PP há 10 dias das eleições? Obviamente não havia necessidade e urgência para esta medida neste momento. Embora o Senador não seja alvo da medida de busca o prejuízo eleitoral é evidente. Mais uma vez enfrentamos a criminalização da politica, com o agravante que agora estamos em pleno processo eleitoral. Uma busca baseada em uma delação antiga, dentro de um inquérito aberto há tanto tempo e determinada a10 dias das eleições é uma verdadeira intromissão do Poder Judiciário no processo eleitoral. A Defesa não se preocupa em absoluto com o que foi apreendido, mas denuncia o uso eleitoral que certamente se fará desta decisão judicial inoportuna, inadequada e desmedida neste momento. A criminalização da política tem que ser enfrentada em nome da normalidade democrática.

Mais notícias