Capitão da marinha é preso suspeito de estupro após exame de DNA em cigarro

Ele chegou a oferecer ajuda depois de estuprar a vizinha

Um capitão da Marinha do Rio de Janeiro foi preso suspeito de estuprar a vizinha depois de um exame de DNA realizado com a bituca de cigarro do militar ser comparado ao material genético coletado no local.

De acordo com as investigações, o capitão teria pulado da sacada de um apartamento para outro durante a madrugada. Ele estaria encapuzado, armado e atacou a mulher no quarto, enquanto ela dormia.

Em depoimento, a vítima relatou aos policiais que o homem a ameaçou, ‘Não reage para eu não te machucar, não te matar”.

Após o estupro, o carregador da arma do capitão caiu na privada e o homem fugiu. A vítima pediu ajuda pelo grupo de Whatsapp do prédio, o agressor por sua vez ofereceu ajuda à vítima dizendo que era capitão da marinha e que estava armado.

De acordo com o portal G1, o promotor do caso, Alexandre Murilo, afirma que o homem só queria voltar para resgatar o carregador, já que é numerado e pessoal, logo, seria facilmente identificado.

A vítima reconheceu a voz do agressor e afirmou à delegada que teve certeza disse no momento em que ele pegou o carregador no vaso.

O capitão negou todas as acusações durante a investigação, em depoimento na delegacia ele também se recusou a fornecer material genético para o teste de DNA. Entretanto, um agente da Polícia Civil pegou algumas da bitucas deixadas pelo militar em frente da delegacia.

O exame de DNA apontou que o material genético das bitucas é o mesmo do recolhido no local.

Capitão da marinha é preso suspeito de estupro após exame de DNA em cigarro
Mais notícias