‘Uma coisa só’: Pantanal Cap lavava dinheiro do jogo do bicho, diz Justiça

Lacrada por ordem judicial na quarta-feira (02), a Pantanal Cap, empresa de títulos de capitalização sediada no Itanhangá Park, em Campo Grande, era usada para lavar dinheiro do jogo do bicho. É o que consta na decisão da juíza Eucelia Moreira Cassal, da 3ª Vara Criminal, que determinou o fechamento das atividades no estabelecimento com […]

Renan Nucci Publicado em 03/12/2020, às 18h05 - Atualizado em 04/12/2020, às 09h11

Sede da Pantanal Cap lacrada (Foto: Leonardo de França, Midiamax) - Sede da Pantanal Cap lacrada (Foto: Leonardo de França, Midiamax)
Empresa foi lacrada durante operação na quarta-feira

Lacrada por ordem judicial na quarta-feira (02), a Pantanal Cap, empresa de títulos de capitalização sediada no Itanhangá Park, em Campo Grande, era usada para lavar dinheiro do jogo do bicho. É o que consta na decisão da juíza Eucelia Moreira Cassal, da 3ª Vara Criminal, que determinou o fechamento das atividades no estabelecimento com base em informações colhidas no âmbito da Operação Omertà.

Durante a deflagração da Operação Black Cat, quarta fase da Omertà, foi apreendido celular que continha dados sobre exploração de jogos de azar. Por meio de perícia no aparelho, constatou-se que o jogo do bicho era chefiado pelos donos da Pantanal Cap, Jamil Name e Jamil Name Filho, que tinham apoio de Darlene Luiza Borges, a Dada. Ela seria a responsável por gerenciar o funcionamento das bancas do bicho na capital e interior.

Levantamentos feitos pelo Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Bancos, Assaltos e Sequestros) e pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), do MPMS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul), apontaram que Pantanal Cap e jogo do bicho ‘eram uma coisa só’. Nas bancas do jogo do bicho eram vendidos cartelas de sorteio da Pantanal Cap e vice-versa.

Jogo do Bicho

Ao todo, foram identificados mais de 200 bicheiros espalhados pela cidade. Os sorteios e pagamentos ocorriam de forma descentralizada e regionalizada em diversos pontos. Para facilitar a logística financeira, eram utilizados “recolhes”, indivíduos que apanhavam os valores das apostas, deixavam os resultados e pagavam os “prêmios”. Todo o procedimento coordenado por Dada, chamada de ‘Patroa’ pelos funcionários.

Consta ainda na decisão da justiça que o jogo do bicho foi informatizado, com máquinas que imprimem o jogo, parecidas com impressoras de cupom fiscal e que tais máquinas foram entregues na Pantanal Cap em seu antigo endereço. “Foi apurado que o jogo do bicho e a Pantanal Cap em verdade se utilizam da mesma estrutura, tanto física como de pessoal, para exploração das atividades. Assim, conclui que o jogo do bicho e o Pantanal Cap são uma só organização, sendo que a Pantanal Cap também serve para ‘lavar’ o dinheiro do jogo do bicho”, lê-se na decisão da magistrada.

Omertà

Nesta quarta-feira foi deflagrada a Operação Arca de Noé, sexta fase da Operação Omertà, que resultou na lacração da Pantanal Cap por envolvimento com a atividade ilegal do jogo do bicho. Foram presas 12 pessoas, ente elas Dada. O procedimento foi resultado de investigações anteriores feitas pelo Garras e Gaeco, desde a prisão de Jamil Name e Jamil Name Filho, por envolvimento com organização criminosa ligada a execuções em Campo Grande. A Pantanal Cap recorreu da decisão do fechamento, mas ainda não obteve êxito.

Crime Organizado Mato Grosso do Sul Organização Criminosa MPMS Roubo Garras Sorteio Gaeco Luiza Pantanal Jamil Name tra1 Bancos