Uma mão lava a outra?

Conselho pode se tornar alvo pelo hábito de aliviar bastante para 'peixes' em episódios locais

A máxima de que uma mão lava a outra pode provocar avalanche institucional em Mato Grosso do Sul. Isso porque os flagrados teimam em cobrar proteção e têm muita bala na agulha para ameaçar. Como os escândalos não param e, apesar de pegar peixes graúdos, não terem ainda chegado nem perto dos verdadeiros tubarões, os próximos capítulos ainda prometem muito vexame público.

Como a camaradagem e o rabo preso generalizado tem falado mais forte na hora de punir efetivamente os bandidos já flagrados com a boca na botija, até conselho que se acha acima da justiça pode virar alvo e sentenças serem questionadas.

Cada vez mais integrantes que não são do esquema em instituição regional estão indignados com a bandidagem arraigada e deve ficar mais difícil ‘passar a mão na cabeça’. Mesmo que pilotem as punições em órgãos de jurisdição especializada, devem ter dor de cabeça para cobrir o rastro de corrupção e outros crimes deixado rodovias afora…