Filiada diz que foi banida e convenção do PSL é alvo de nova ação na Justiça Eleitoral

Mulher queria ser candidata a vereadora em Campo Grande e alega exclusão "antidemocrática"

Depois da ação do vereador Vinicius Siqueira, que pediu a impugnação da convenção do PSL de Campo Grande, a reunião que definiu os pré-candidatos do partido é alvo de nova investida na Justiça Eleitoral. Desta vez, filiada que pretendia ser candidata a vereadora alega que foi banida da videoconferência.

Em petição cível distribuída à juíza Joseliza Alessandra Turine, da 44ª Zona Eleitoral da Capital, a mulher diz que foi excluída da sala quando o presidente da sessão e do PSL municipal, o deputado federal Loester Trutis, chamava os pretensos candidatos, em ordem alfabética. Seu nome não foi citado.

A filiada afirma que foi colocada em sala de espera. Em diálogos com assessores do partido, foi informada de que Trutis não interromperia a convenção para colocá-la de volta na videoconferência.

Ela sustenta que sua exclusão foi “antidemocrática”. Além disso, garante que participava ativamente do PSL Mulher. A filiada ainda conta que tentou notificar Loester Trutis, pessoalmente e por e-mail, na tentativa de ser candidata.

Em caráter liminar, a mulher pediu à Justiça Eleitoral a realização de convenção suplementar, com nomeação de fiscal para acompanhar o evento e tempo de três minutos para apresentar proposta e motivos de sua candidatura. Em alternativa, requisitou indenização para reparação dos danos.

A filiada também pediu inversão do ônus da prova, a fim de obter do partido a gravação da convenção, bem como a lista de pré-candidatos a vereador, de integrantes da mesa diretora e dos presentes no início da reunião.

A juíza negou a liminar e pediu à mulher que apresente as provas de seu banimento da videoconferência. A magistrada também determinou a notificação dos envolvidos e, depois, do Ministério Público Eleitoral.

Convenção na berlinda

A convenção do PSL já é questionada por Vinicius Siqueira. O vereador alega irregularidades na votação que escolheu Trutis e Lilian Durães candidatos a prefeito e vice da Capital, respectivamente. O deputado federal já homologou candidatura no TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul), mas o registro ainda será julgado.

Deputado FederaldurãesIndenizaçãoJustiça EleitoralMato Grosso do SulMesa DiretoraNomeaçãopolit1PSLTRE-MS