Disputa por Campo Grande tem 10 milionários e um sem patrimônio

Outros três candidatos declararam menos de R$ 300 mil

Dos 14 candidatos a prefeito de Campo Grande, quase todos declararam bens que ultrapassam R$ 2 milhões. As informações estão no registro de campanha de cada um, disponibilizado pela Justiça Eleitoral.

O ‘mais rico’, segundo declaração de bens, é Marcelo Miglioli, candidato a prefeito pelo SD. O patrimônio de R$ 5.358.687,67 é composto por veículos, dinheiro em espécie, terreno, casa, caderneta de poupança.

Miglioli é engenheiro e ocupou o cargo de secretário de Obras no Governo de Mato Grosso do Sul, no primeiro mandato de Reinaldo Azambuja (PSDB).

Na sequência, Sérgio Harfouche, do Avante, informou à Justiça Eleitoral R$ 4.902.171,80, também com veiculos, casas, investimentos e terreno. O postulante é procurador do Ministério Público, mas se licenciou para disputa eleitoral.

Candidato pelo PSC, o pecuarista Paulo Matos tem R$ 3.357.848,05, entre imóveis, terrenos, veículos. Dagoberto Nogueira declarou R$ 3.079.721.17, entre apartamento, salas, casas e veículos.

Ainda de acordo com registro eleitoral, o deputado estadual Márcio Fernandes, que disputa o Paço Municipal pelo MDB, tem bens que somam R$ 2.676.406,57.

Atual prefeito em busca de reeleição, Marquinhos Trad informou ao TRE, R$ 2.519.739,49, entre veículos, poupança, sala comercial, entre outros bens. Advogado, o chefe do Executivo já foi vereador e deputado estadual.

Pedro Kemp, do PT, tem R$ 1.720.978,56 em bens declarados no registro de sua candidatura, entre casas, aplicações, veículos e poupança. Atualmente deputado estadual, Kemp é formado em Psicologia.

Do PP, Esacheu Nascimento possui, de acordo com a declaração à Justiça Eleitoral, R$ 1.704.494,66. São casas, veículo, aplicações, terreno. O candidato presidiu a Santa Casa e é advogado.

O empresário Guto Scarpanti, do Partido Novo, soma R$ 1.550.500,00, em bens como veículos, casa, apartamento.

O candidato do PV, Marcelo Bluma, informou ao TRE patrimônio de R$ 1.455.057,05. Conforme o registro, são sala ou conjunto, terreno, casas, veículos.

Descrito como ‘disponibilidade diversas’, a declaração de Sidnéia Tobias (Podemos), delegada da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, foi no valor de R$ 250.000,00.

João Henrique Catan, do PL, informou R$ 166.858,15, em depósito, dinheiro em espécie, poupança e participação societária. Deputado estadual, ele também é formado em Direito.

A candidata do PSOL, que é psicóloga, não declarou bens em seu registro de candidatura.

Registrada, candidatura foi suspensa pela Justiça

O deputado federal Loester Trutis, do PSL, teve a candidatura barrada pela Justiça, por causa de ação do vereador Vinícius Siqueira, que deve ser considerado nome do partido na disputa.

Contudo, declarou à Justiça Eleitoral patrimônio de R$ 48.036,48 em dinheiro e depósitos bancários.

A decisão que manda o PSL substituir o candidato foi publicada neste domingo, portanto, ainda não há registro de Siqueira, bem como sua declaração de bens.

 

AdvogadoAvanteDagoberto NogueiraDeputado EstadualDeputado FederalImóveisJoão Henrique CatanJustiça EleitoralLoester TrutisMarcelo BlumaMarcelo MiglioliMárcio FernandesMarquinhos TradMato Grosso do SulMDBPartido NovoPedro KempPodemosPolícia Civilpolit1PoupançaPPPSCPSDBPSLPSOLPTPVReeleiçãoReinaldo AzambujaSDSérgio HarfoucheVinícius Siqueira