Aliados, PT e PDT não acreditam em necessidade de plano B para o Senado

Zeca descarta hipótese de Dagoberto não disputar o senado; para o pedetista condenação não suspende direitos políticos, somente aplica multa

A possibilidade de ter a candidatura do pré-candidato ao senado, impugnada pelo TRE, devido ao entendimento do TSE de que a lei do “Ficha Limpa” já vale agora nessas eleições, não mudou os plantos de petistas e pedetistas. 

“Tudo isso é uma tentativa de minar uma candidatura que assusta muito. O Dagoberto vai ser candidato sim, vai disputar e vai ganhar essa vaga no Senado, pode crer nisso”, declarou um otimista Zeca do PT, durante o jogo do Paraguai na Colônia Paraguaia.

Acompanhado de Dagoberto, Zeca disse que o nome da ex-primeira-dama Gilda dos Santos na chapa ao senado, deixa a candidatura ainda mais forte. “Os dois nomes juntos são muito forte e não há hipótese da Gilda sair sozinha, até porque não foi para isso que trabalhamos”, explicou sobre a possibilidade aventada da professora Gilda ser candidata do lugar do pedetista caso a candidatura seja negada.

“Nem pensamos nessa hipótese, vamos trabalhar até o último momento pela candidatura do Dagoberto”, afirmou.

O pré-candidato ao senado, deputado federal Dagoberto Nogueira, também não demonstra preocupação excessiva sobre uma possível impugnação de sua candidatura.

“Minha condenação não se estende a questão eletiva, é uma condenação de multa e isso não acarreta nenhum problema a questão da candidatura. Para eu poder ficar fora, teriam que ter suspendido meus direitos eleitorais”, explicou.

Segundo ele, se os direitos não foram suspensos, não há porque a candidatura não seja aceita, e a disputa do senado vai ser bem direcionada. “A candidatura dos adversários não decola, não tem nenhum nome muito forte e é por isso que eles jogam pesado”, disse sobre o assunto da possível impugnação.

“Essa história mesmo que eu não vou me candidatar, é obvio que é para diminuir a minha campanha, para tentar diminuir os índices de pesquisa, já que eu e o senador Delcídio estamos à frente em todas as pesquisas que foram feitas”, finalizou.

Recurso negado

No dia 17/06, a 5ª Turma Cível do TJ-MS (Tribunal de Justiça) de Mato Grosso do Sul negou o recurso do deputado federal Dagoberto Nogueira, do PDT, acusado em dois processos por improbidade administrativa. O parlamentar já havia sido condenado em primeira instância, na segunda instância e agora apelou ao STJ (Superior Tribunal de Justiça).

As razões das condenações contra o pedetista, pré-candidato ao Senado na chapa do ex-governador Zeca do PT, tem a ver com suas ações enquanto secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, a Sejusp, no período governado pelo petista.

PDT