Fragilidade institucional e avanço das facções podem criar ‘Narcoestado’ no Paraguai

A fragilidade institucional e o avanço das facções são prato cheio para surgimento de um ‘Narcoestado’ no Paraguai. O pesquisador Juan Martens, especialista em segurança da Insight Crime, organização sem fins lucrativos de jornalismo investigativo do crime organizado na América Latina e Caribe, afirma que é grande o número de políticos do país vizinho financiados […]

Renan Nucci Publicado em 01/03/2021, às 18h07

Senad, do Paraguai, durante destruição de acampamentos do tráfico na fronteira. - Senad, do Paraguai, durante destruição de acampamentos do tráfico na fronteira.
Ação de facções como PCC agrava crise política e moral no país vizinho

A fragilidade institucional e o avanço das facções são prato cheio para surgimento de um ‘Narcoestado’ no Paraguai. O pesquisador Juan Martens, especialista em segurança da Insight Crime, organização sem fins lucrativos de jornalismo investigativo do crime organizado na América Latina e Caribe, afirma que é grande o número de políticos do país vizinho financiados pelo tráfico de drogas e contrabando.

Segundo ele, um estudo da Insight Crime mostra mudança no comportamento e maior engajamento político por parte das organizações criminosas, entre elas os grupos brasileiros PCC (Primeiro Comando da Capital) e CV (Comando Vermelho). É comum, afirma, o registro de candidaturas por parte de pessoas ligadas ao narcotráfico, especialmente em Ciudade del Este e Salto Del Guairá.

Esta segunda cidade fica na linha internacional com Mundo Novo, no Mato Grosso do Sul, a 462 quilômetros de Campo Grande. “No Paraguai, cada vez mais o Estado se associa ao narcotráfico, e têm razão aqueles que dizem que estamos caminhando perigosamente para a formação de um Narcoestado”, disse o pesquisador ao jornal ABC Color.

Martens cita, por exemplo, que o Partido Colorado se democratizou graças ao tráfico de drogas, por meio da injeção de altos valores em campanhas eleitorais. “Pode ocorrer uma campanha política milionária sem controle e com dinheiro do tráfico, e isso pode provocar erosões na democracia e demais instituições. Isso é preocupante”, sinaliza. 

Outro ponto destacado pelo pesquisador é que, após décadas conhecido como grande fornecedor de maconha, o Paraguai recentemente passou a ser a principal rota de cocaína. Tal cenário está atribuído diretamente à guerra entre o PCC e o clã Rotela, que disputam o controle do tráfico de armas e drogas na fronteira, corrompendo policiais e membros do Poder Judiciário. “Há necessidade urgente de fortalecimento do Estado Paraguaio”.

Crime Organizado Mato Grosso do Sul Fronteira Paraguai jornalismo Tráfico de Drogas Cocaína Maconha PCC Tráfico de Armas Comando Vermelho democracia América Latina Contrabando Campanha