Preso na BR-060, foragido da Justiça Federal comprava armas na Bolívia e enviava para SP e RJ

Foi preso por policiais militares escondendo armas de fogo em sua chácara

Evando Ney dos Santos, de 51 anos, preso em Campo Grande nesta segunda-feira (23), após ser flagrado com armas e drogas na BR-060, região rural, era procurado por tráfico internacional de armas. De acordo com as informações obtidas pela reportagem do Jornal Midiamax, o acusado comprava o armamento na Bolívia para enviar aos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

O homem estava em um veículo Fiat Strada, quando foi abordado por policiais da Força Tática da 11ª Companhia Independente de Polícia Militar, que faziam rondas pela região rural, próximo ao Assentamento Estrela Dalva. Ao checar, os policiais constataram que o homem era foragido da Justiça Federal pelo crime de tráfico internacional de armas, desde o ano de 2012.

Questionado se havia algo de ilícito em sua chácara, Evando Ney teria dito que possuía armas sem registro no local. Ele autorizou a entrada dos policiais, que encontraram cinco armas de fogo dentro de uma gaveta no guarda-roupas, sendo um revólver de calibre .38 da marca Taurus, furtado e outro revólver calibre .38 da marca Taurus, com registro de roubo.

Foram encontrados ainda, um revólver de calibre .22 da marca Taurus com numeração raspada, uma garrucha de calibre .32 e um revólver de calibre 22 da marca Rossi. Todas as armas, segundo Evando, foram compradas de desconhecidos, há cerca de três anos. Além das armas, os militares localizaram cocaína pura enterrada próxima a um galpão, uma balança de precisão, R$ 2.322,00 em cédulas trocadas e dois celulares.

Evando estava foragido da Justiça Federal desde 2012, condenado por tráfico internacional de armas. Processo aponta que em 2010 foi flagrado com dois fuzis, munições de fuzil e carregadores. Segundo apurado, ele faz parte de organização criminosa e adquiria armas na Bolívia, depois enviava aos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

AssentamentoBolíviaBR-060CocaínaForagidoJustiça FederalOrganização CriminosaPolícia MilitarRoubo