Operação lacrou Pantanal Cap e ainda bloqueou R$ 18 milhões da empresa

Além de lacrar a Pantanal Cap, a Operação Arca de Noé, sexta fase da Operação Omertà, também bloqueou R$ 18 milhões das contas da empresa de títulos de capitalização sediada no Itanhangá Park, em Campo Grande. A ação foi realizada nesta quarta-feira (02) pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), do […]

Renan Nucci Publicado em 02/12/2020, às 17h13 - Atualizado em 03/12/2020, às 08h03

Policiais durante lacração da Pantanal Cap nesta quarta-feira. Foto: Leonardo de França - Policiais durante lacração da Pantanal Cap nesta quarta-feira. Foto: Leonardo de França
13 pessoas foram presas em ação conjunta entre Gaeco e Garras

Além de lacrar a Pantanal Cap, a Operação Arca de Noé, sexta fase da Operação Omertà, também bloqueou R$ 18 milhões das contas da empresa de títulos de capitalização sediada no Itanhangá Park, em Campo Grande. A ação foi realizada nesta quarta-feira (02) pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), do Ministério Público Estadual, e pelo Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Bancos, Assaltos e Sequestros), da Polícia Civil.

De acordo com o Gaeco, equipes foram às ruas para cumprir 13 mandados de prisão preventiva e 17 mandados de busca e apreensão direcionados aos integrantes da organização criminosa desarticulada durante a primeira fase da Omertà em setembro de 2019, grupo  dedicado à operacionalização do jogo do bicho na Capital e em cidades do interior do Estado.

Conforme o Ministério Público, As infrações penais apuradas nesta fase referem-se à organização criminosa, exploração de jogo do bicho e lavagem de dinheiro. A operação contou ainda com o apoio de equipes da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, por meio dos Batalhões de Choque e Bope e do Policiamento Tático da PM da Capital. 13 pessoas foram presas e o deputado Jamilson Name foi alvo de busca e apreensão.

Representantes da Pantanal Cap alegaram que a empresa atua dentro da legalidade e, por este motivo, vai respeitar a decisão, mas sem deixar de recorrer. A defesa já se articula para reverter o cenário. Por enquanto, as equipes foram tiradas das ruas e a vendas suspensas, bem como o próximo sorteio foi cancelado. A empresa cogita devolver o dinheiro dos clientes que adquiriram títulos para este sorteio.

Polícia Civil Crime Organizado Mato Grosso do Sul Polícia Militar Organização Criminosa Lavagem de dinheiro Roubo Garras Sorteio Gaeco Pantanal Jamilson Name polic1 Bancos