‘Crime do freezer’: namorada participa de reconstituição da morte de idoso

A Polícia Civil realizou na manhã desta quarta-feira (25), no distrito de Cipolândia, em Aquidauana, a 110 quilômetros de Campo Grande, a reconstituição do caso conhecido como ‘crime do freezer’. O crime ganhou esse nome porque o corpo da vítima,Wanderley de Souza, de 73 anos, foi encontrado congelado dentro de um freezer. Participaram da simulação […]

Fernanda Müller Publicado em 25/07/2018, às 13h31 - Atualizado em 26/07/2018, às 13h36

-
Polícia quer saber se a jovem contou com ajuda para matar o aposentado

A Polícia Civil realizou na manhã desta quarta-feira (25), no distrito de Cipolândia, em Aquidauana, a 110 quilômetros de Campo Grande, a reconstituição do caso conhecido como ‘crime do freezer’. O crime ganhou esse nome porque o corpo da vítima,Wanderley de Souza, de 73 anos, foi encontrado congelado dentro de um freezer.

Participaram da simulação a acusada pelo assassinato, Thaís Errobidart da Silva, de 19 anos, seu advogado, Eder de Oliveira, duas equipes de Perícia Criminal, uma equipe do Núcleo Regional de Inteligência e o delegado que cuida do caso, Rogério Albres.

Segundo o delegado Eder, um dos objetivos da simulação é verificar se uma segunda pessoa estaria  envolvida no assassinato.

A acusada continuará presa durante a investigação.O laudo pericial deve ser concluído em torno de 30 dias.

O caso

No dia 1° de julho um vizinho foi até a casa da vítima e viu manchas de sangue próximo ao freezer entreaberto. Ao tentar fechar o equipamento, acabou encontrando o corpo. A Polícia Civil foi acionada.  Laudos da perícia revelaram que o aposentado foi atingido por cinco facadas no tórax e duas no pescoço.

Quando o idoso desapareceu, Thaís, que provavelmente teria um relacionamento amoroso com a vítima, dizia aos vizinhos que ele estava preso, depois contava outra história, falando que Wanderley estava doente, o que levantou suspeitas de alguns moradores. A jovem foi levada para depor, e acabou assumindo a autoria do crime.

Segundo as investigações, Wanderley pagava a faculdade da jovem e também a teria presenteado com um carro. Durante a prisão da mulher, foi encontrada na sua casa uma televisão, ventilador e dois cartões de Wanderley, que foram usados pela jovem mesmo depois de sua morte.

 

Crime Organizado Assassinato Prefeitura de Aquidauana