Advogada executada teria denunciado envolvimento da polícia paraguaia com narcotraficante ‘Minotauro’

Laura teria deixado áudios que foram divulgados

A advogada Laura Marcela Casuso executada a tiros na última segunda-feira (12), em Pedro Juan Caballero, na fronteira com Ponta Porã – a 338 quilômetros de Campo Grande, teria denunciado o envolvimento da polícia paraguaia na ‘proteção’ ao narcotraficante Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, o ‘Minotauro’.

Antes de ser executada Laura – que era advogada de Jarvis Pavão e Marcelo Piloto- teria gravado vários áudios e a imprensa local divulgado. Nos áudios, a advogada fala sobre o envolvimento da alta cúpula da polícia na proteção a ‘Minotauro’, dando trânsito livre ao narcotraficante e controle da região.

Segundo o site Porã News, o atual diretor da Secretaria Nacional Antidrogas, Arnaldo Giuzzio, teria dito que Laura foi executada como queima de arquivo, já que tinhas muitas informações por ser ligada aos líderes e cabeças do narcotráfico.

Laura teria deixado um áudio onde expunha o general Pinãnez que a teria advertido para que ficasse quieta, pois poderia sofre consequências.

A advogada foi executada com mais de 10 tiros, que atingiram o abdômen, tórax, pescoço e membros superiores, causando lesões vasculares e múltiplas fraturas. Ela chegou a ser socorrida e passar por cirurgia, mas momentos depois do anuncio do término do procedimento cirúrgico, ela não resistiu e morreu.

Imagens de câmeras de segurança gravaram o momento da execução de Laura. Nas imagens, é possível ver quando os pistoleiros chegam em uma camionete, de cor preta, e Laura saía de uma casa. Um dos homens desce e faz vários disparos contra ela, que cai na calçada. Em seguida eles fogem.

 

 

execuçãolaura casuso