Suspeito de matar PM não resiste a cirurgia e morre no Hospital Regional

Roberto da Silva trocou tiros com policiais e foi encaminhado ao hospital

Roberto da Silva, 32, suspeito de assassinar o Policial Militar Márcio Ferreira Côrrea a tiros na madrugada desta sexta-feira (30), faleceu no Hospital Regional em Campo Grande no início da tarde. Roberto não resistiu aos ferimentos, após trocar tiros com policiais militares. De acordo com a polícia militar, ele foi encontrado na manhã desta sexta, na casa do irmão, no Residencial Caiobá. No local, teria atirado contra os policiais com um revólver de calibre 32. Os policiais reagiram aos disparos, e Roberto foi encaminhado ao Hospital Regional por volta das 9h. A assessoria de imprensa do HR, afirma que Roberto foi "encaminhado imediatamente ao centro cirúrgico, porém não resistiu e veio à óbito". A polícia militar informou que Roberto faleceu às 13h.

Entenda o caso

 
Márcio estava numa conveniência na Rua Brilhante, na companhia de quatro amigos, entre o grupo, duas mulheres. Por volta das 4 horas da madrugada desta sexta-feira, uma discussão começou entre o grupo, envolvendo as duas mulheres e outra jovem que estava acompanhada de Roberto. O soldado da PM teria entrado em luta corporal com ele, momento em que a arma de Márcio caiu. Roberto, então, teria se apoderado da arma do policial e efetuou diversos disparos contra Márcio, que foi atingido no peito. Ele foi socorrido pelos amigos e levado até a UPA (Unidade de Pronto Atendimento Comunitário) do Leblon.

O policial já chegou sem vida à unidade de saúde. Roberto fugiu em seguida em um veiculo Chevrolet Corsa, segundo informações de testemunhas. Ainda durante a manhã, policiais do Choque estiveram no bar buscando informações sobre o assassinato e o autor do crime. A polícia militar afirma que os policiais receberam informações com o endereço onde o suspeito estaria. Ao chegarem no local, Roberto teria efetuado os disparos contra os policiais, que atiraram de volta, efetuando três disparos.

 

 

O Batalhão de Choque encontrou duas armas de fogo, entre elas a pistola do policial levada pelo autor. A pistola do policial levada pelo autor depois do assassinato foi encontrada embaixo de um rack, na residência. Com o suspeito, os policiais encontraram um revólver calibre 32. O carro de Roberto foi localizado em outra residência, no Bairro Oliveira II.

 

AssassinatoBairro OliveiraCrime OrganizadoHomicídioPrefeitura de Campo Grande