Cirumed, alvo da Polícia Federal, é suspeita de superfaturamento na gestão de Nelsinho

Documentação apreendida na sede da empresa pode confirmar superfaturamentos de até 1.700% na compra de remédios.

A Cirumed Comércio Ltda, investigada na Operação Teto de Vidro da Policia Federal de Campo Grande e a Regional da CGU (Controladoria Geral da República) tem um longo histórico de envolvimento em supostos crimes de fraudes àslicitações no estado.


Recentemente, a Cirumed surgiu em levantamento elaborado pela(Sesau) Secretaria de Saúde de Campo Grande, já na gestão do prefeito Alcides Bernal (PP), preços de medicamentos superfaturados de preços em até 1.700%, em pregões de fim de ano da gestão do ex-prefeito Nelson Trad Filho (PMDB). 


A investigação sobre o suposto superfaturamento apontado pela Sesau dependerá do que for encontrado nos computadores e documentos apreendidos na Cirumed, onde policiais se encontravam até o final da tarde de ontem (15).


Motivos não faltariam: a empresa Cirumed teve o nome envolvido em três operações de vulto da PF, todos ligados àsfraudes em licitações para o fornecimento de medicamentos ao SUS, especialmente na cidade de Dourados.


A primeira operação da PF na qual a Cirumed foi investigada foi a ‘Owari’, ocorrida em junho de 2009,na gestão do ex-prefeito Ari Artuzi, em Dourados.


A Owari (ponto final em japonês)resultou em diversos processos desmembrados, com acusações de crimes relacionados a fraudes à licitação, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro, segundo relato da promotora Claudia Almirão, então titular da 5ª Promotoria de Justiça de Dourados.


Com o desmembramento, aCirumed foi citada no processo de nº 005.121/2010-8, junto com cerca de cinquenta outras empresas e nomes de pessoas físicas, entre eles integrantes da família Uemura e o ex-prefeito Ari Artuzi.


A segunda e mais famosa operação da PF com citação à Cirumed foi a Uragano, decorrente da Owari, que em 2010 derrubou o ex-prefeito Ari Artuzi e seu secretariado.


A Cirumed e seu dono, Aurélio Nogueira Costa, foram citadosem gravaçõesrealizadas pelo jornalista Eleandro Passaia com o ex-deputado Ary Rigo (PSDB),como envolvidosem fraude de licitação de medicamentos, mais uma vez em negócios que envolveriam a família Uemura.


Além da Owari, Uragano e agora a Teto de Vidro, a Cirumed ainda responde na 4ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande a um processo movido pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O nome do proprietário da empresa, Aurélio Nogueira Costa é citado em todos os processos.


(Material editado às 15h44, para supressão de informações)

Nelsinho Trad