China proíbe festas de aniversário em campanha anticorrupção

Mais de 300 mil políticos já foram punidos na campanha

Ser político e viver na ostentação não é uma realidade na China. Pelo menos não mais, desde que o presidente Xi Jinping iniciou uma campanha contra a corrupção dentro do próprio governo em 2013. Neste fim de semana, as medidas chegaram aos cidadãos comuns.

A primeira medida para combater a corrupção do dia a dia é a desautorização de festas de aniversário nas maiores cidades chinesas.

O objetivo seria, segundo o governante, combater a cultura de presentear pessoas por favores em troca, o que é comum na China. Apenas pessoas com mais de 89 anos estão permitidas a poder celebrar aniversários.

Xi Jinping já havia proibido os ministros, parlamentares e dirigentes do Partido Comunista de entrar em bordéis e cassinos em junho, e em três anos, puniu mais de 3.200 membros do governo por manterem mulher e filhos no exterior com recursos públicos.

Além deles, segundo os dados do governo, mais de 300 mil foram punidos no ano passado por organizar grandes festas ou banquetes. Em abril, o governo colocou em pauta a pena de morte para casos de corrupção, que pode ser aprovada ainda este ano.

No ano passado, Ling Jinghua, secretário do ex-presidente Hu Jintao, foi preso por permitir que seu filho de 23 anos tivesse uma Ferrari Spider, avaliada em quase US$ 350 mil. O rapaz morreu enquanto dirigia o carro embriagado, junto a duas jovens seminuas.

Outro “homem forte” preso foi Zhou Yongkang, ex-integrante do Comitê Permanente do Politburo e que era responsável pela Justiça no governo de Hu Jintao, que reúne os sete políticos com mais altos postos no governo. Ele foi condenado a prisão perpétua por acusação de repassar o equivalente a R$ 14 milhões a sua amante.

(Com informações do Washington Post, Folha de S. Paulo e GloboNews)

ChinaCorrupção