Henrique de Medeiros é eleito presidente da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras

Escritor presidirá entidade até 2020

O escritor, jornalista e publicitário Henrique Alberto de Medeiros é o novo presidente da Academia Sul-mato-grossense de Letras (ASL). Medeiros foi eleito no último sábado (7), para mandato de três anos (2017-2020), no qual assume o compromisso de promover democratização da literatura.

Ocupante da cadeira de número 10, Medeiros terá como vice a poeta e professora Raquel Naveira. A nova diretoria também conta com o poeta Rubenio Marcelo como secretário-geral; o escritor J. P. Frazão como secretário; a poeta Elizabeth Fonseca como 1ª Tesoureira; e o escritor e historiador Valmir Batista Correa como 2º Tesoureiro. A posse da nova diretoria está prevista para o próximo dia 30.

Passada a posse, Henrique de Medeiros destaca que deverá continuar os atuais projetos da ASL, mas que pretende focar no aumento do acesso á literatura em Mato Grosso do Sul. “Queremos democratizar cada vez mais a literatura, a leitura e a palavra. Vamos desenvolver novos projetos, novos caminhos, e até mesmo levar às ruas esse tipo de intenção. Por meio disso, queremos dar mais valor à educação e à leitura. Ler é a coisa mais simples do mundo, a literatura não pode ser uma coisa elitizada. Por isso, vamos trabalhar sua democratização”, explica o imortal.

Natural de Corumbá, Medeiros é autor dos livros de poemas e contos como “O Azul Invisível do Mês que Vem”, “Pirâmide de Palavras”, “Que as Dores se Transformem em Cores” e “Palavras Correndo Atrás de Textos”, e também roteirizou “David Cardoso, o Rei da Pornochanchada”. Com títulos traduzidos para o francês, o publicitário também é um dos coautores do livro “Vozes das Artes Plásticas de Mato Grosso do Sul”.

ASL

Com 40 Cadeiras, aos moldes da Academia Brasileira de Letras (ABL), a ASL mantém ao longo da sua existência a defesa da língua portuguesa e o cultivo da arte literária, zelando e incentivando todas as derivações da cultura nacional e estadual. A Academia tem programas literoculturais importantes, como o “Concurso de Contos Ulisses Serra” e o “Concurso de Poesias Oliva Enciso”. Mantém ainda o “Chá Acadêmico” – apresentando palestras de interesse da sociedade -, o “Suplemento Cultural” – caderno literário mais antigo de forma ininterrupta no país – e a “Revista da ASL”, dentre outros.

Referência cultural de Mato Grosso do Sul, a ASL atende aos que buscam seus serviços e orientações, além da biblioteca e obras. Fundada em 1971, como Academia de Letras e História de Campo Grande, essa denominação predominou até dezembro de 1978, quando em assembleia geral às vésperas da instalação da nova unidade da Federação (MS) – em 1979 -, a instituição foi transformada em Academia Sul-Mato-Grossense de Letras.

Atualmente com duas cadeiras vagas – a cadeira 1, vaga por Manoel de Barros e a 31, vaga por Hildebrando Campestrini -, a Academia Sul-Mato-Grossense de Letras tem entre seus acadêmicos, além dos citados na diretoria, Abílio Leite de Barros; Abrão Razuk; Altevir Soares Alencar; Américo Ferreira Calheiros; Antonio João Hugo Rodrigues; Augusto César Proença; Emmanuel Marinho; Francisco Albuquerque Palhano; Francisco Leal de Queiroz; Geraldo Ramon Pereira; Guimarães Rocha; Hermano de Melo; Ileides Muller; José Couto Vieira Pontes; Lélia Rita de Figueiredo Ribeiro; Lucilene Machado Garcia Arf; Maria Adélia Menegazzo; Marisa Serrano; Orlando Antunes Batista; Paulo Corrêa de Oliveira; Paulo Sérgio Nolasco dos Santos; Paulo Tadeu Haendchen; Pe. Afonso de Castro; Reginaldo Alves de Araújo; Rêmolo Letteriello; Renato Toniasso; Samuel Xavier Medeiros; Theresa Hilcar; Valmir Batista Corrêa e Wilson Barbosa Martins. Oswaldo Almeida e Pedro Chaves foram recentemente eleitos para cadeiras que estavam vagas (respectivamente cadeiras 3 e 19) e aguardam solenidades de posse.

literaturaliteraturaLiteratura de MS