Morre um dos pioneiros do rock em MS

Morreu ontem às 22h o músico Lúcio Val, ex- integrante das bandas da década de 70, os Mini Boys e Zutrik (considerada  as primeiras bandas de rock do Estado).

Lúcio Val passou mal antes de uma apresentação que teria com a cantora Juci Ibanez às 21h30min de ontem no bairro São Franscisco em Campo Grande. De acordo com a cantora, médicos do Samu tentaram por 35 minutos reanimá-lo em vão. O músico sofria de pressão alta e teve complicações devido a um efizema pulmonar.

Além de ser um dos músicos pioneiros de rock’n’roll em MS, ele também tocou na banda Banana-Split, foi um dos fundadores do Olho de Gato além de tocar há 14 anos com a cantora Juci Ibanez. “Ele era um multi-instrumentista, como ele tocava com as duas mãos, ele chegava a tocar contra-baixo com a mão esquerda e teclado com a direita”, disse a cantora.

Lucio Val também tocava com o forrozista Zezinho do Forró, e tinha acabado de gravar um CD com o cantor e compositor Carlos Colmam e estava finalizando outro trabalho com Juci Ibanez.

João Carlos Maciel ex-parceiro de Lúcio Val do Zutrik que faleceu em novembro passado

O ex-parceiro de Lúcio Val, o também músico João Carlos Maciel faleceu no último dia 20 de novembro vítima de câncer no pulmão.

Os dois juntos com o músico Miguelito foram os pioneiros do rock de Campo Grande e MS. O Zutrik foi uma das primeiras bandas a gravar um compacto.

“Nós gravamos o disco em inglês, porque na época o negócio era cantar em inglês. Fábio Jr. Cantava em inglês, os Pholhas. O povo no Brasil só gostava de gente que cantava em inglês. Como a gente não tinha dinheiro para gravar um LP, só seu para gravar um compacto. Gravamos três músicas e escolhemos duas para o disco”, disse Miguelito no livro ‘Deitar e Rolar: A História do Rock de Campo Grande’ de Marcelo Pereira.

O Zutrik foi a primeira banda a colocar efeito de gelo seco em um show musical. Apresentação essa que ocorreu no Teatro Dom Bosco em 12 de setembro de 1977. De acordo com os músicos, na hora do efeito do gelo muitas pessoas saíram correndo pensando que se tratava de um incêndio.

O músico Miguelito considera o evento como o “primeiro” show de rock de verdade, por causa da variedade do repertório, efeitos e principalmente pela recepção das 700 pessoas que estavam presentes.


O velório do corpo do músico acontece desde às 8h de hoje (20) na Av. Bandeirantes, 226, e o sepultamento será às 16h, também de hoje no cemitério Santo Amaro.