Plano Safra eleva juros, mas amplia crédito e acesso para pequenos produtores

Pequenos e grandes produtores foram unificados, sendo que MS receberá 23% a mais em recursos; juros ficou 0,5% maior

Foi apresentado nesta segunda-feira (8) em Campo Grande o Plano Safra 2019/2020, que em comparação ao plano anterior, registra leve aumento da taxa de juros, mas ampliação do valor disponibilizado para os produtores rurais. Além disso, o projeto deste ano unificou pequenos, médios e grandes produtores, além de incluir definitivamente a piscicultura.

Realizado na sede do BB (Banco do Brasil), no Centro da Capital, o evento contou com a presença da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), além de secretários de Estado e dirigentes do banco estatal.

Ao todo, o plano prevê para todo o país crédito de R$ 222,74 bilhões, sendo focados R$ 169,33 bilhões para custeio, comercialização e industrialização, e os R$ 53,41 bilhões restantes devem ser aplicados em investimentos. Desse montante total, R$ 103 bilhões serão oriundos do BB.

O banco vai disponibilizar para Mato Grosso do Sul o valor de R$ 8,2 bilhões, sendo R$ 6,6 bilhões para custeio e outros, e R$ 1,6 bilhão para investimento. Tudo isso representa um acréscimo de 23% em comparação ao ciclo passado. A carteira de crédito rural total do banco, indo além do Plano Safra, soma R$ 9,5 bilhões.

Produtores rurais interessados em buscar financiamento através do Plano Safra podem procurar qualquer agência do Banco do Brasil. Desde o dia 1º desse mês os recursos estão disponíveis, abertos para análise e contratualização. Dessa vez, também foi aberto seguro rural mais amplo.

Juros maior, mas compatíveis ao mercado

Para aumentar o crédito, foi necessário também uma leve elevação na taxa de juros neste ano. O índice anual cobrado saltou apenas 0,5% – 2,5% para 3% para pequenos produtores e 7,5% para 8% entre os produtores de maior porte. Os valores, segundo Tereza Cristina, estão dentro das taxas compatíveis ao mercado e à atividade rural brasileira.

Em termos percentuais, MS está acima da média nacional, explica o superintendente do BB, Sandro Jacobsen Grande. “Temos um compromisso de colocar todo o montante destinado ao Estado no mercado, e destinamos valores acima da média aqui pois percebemos é aqui que percebemos que existe um retorno à sociedade maior desses recursos aplicados”.

Já o diretor de Agronegócios do banco, Marco Túlio Moraes, afirmou que o Plano Safra 2019/2020 é o melhor dos últimos 10 anos. “Com essa unificação de créditos para pequenos e grandes, vamos nos abrir mais ao varejo, tornar mais acessível o crédito para pequenos produtores e fazer com que garantam o seu preço”, destaca Túlio, se referindo à competitividade dos produtos.

crédito ruralplano safra