Toque de recolher: donos de bares e restaurantes pedem que mudança aconteça só na 2ª

Prefeito Marquinhos Trad adiantou que vai decretar toque de recolher a partir de 20h nesta quarta-feira (8); empresários pedem validade da medida a partir de segunda-feira (13).

Após o anúncio do prefeito Marquinhos Trad (PSD) na decisão de decretar redução no horário de início do toque de recolher, em Campo Grande, a partir desta quarta-feira (8), donos de bares e restaurantes pedem prorrogação da medida para segunda-feira (13).

Segundo o presidente da Abrasel MS (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Mato Grosso do Sul), Juliano Wertheimer, os empresários foram pegos de surpresa. Durante a reunião na tarde de hoje (7), os associados concordaram com as novas regras, porém, reclamaram do prazo para se reorganizar.

“O problema é o estoque que os empresários têm, principalmente, das casas que trabalham com carne e peixe. Os produtos são de autovalor, perecíveis e que não podem ser mais congelados. Terão grande perda de estoque. A gente concordou com a redução de 40% (capacidade máxima de clientes), e outros termos, mas pedimos que até domingo o horário seja até às 23h”, disse.

Ainda conforme Wertheimer, os empresários reclamam apenas do início imediato do decreto. “O toque de recolher limita o horário de funcionamento, o problema é que restaurantes e bares noturnos não conseguem vender nada antes das 20h. Entramos com diálogo com a prefeitura e aguardamos uma nova posição.”

Aumento de casos

Durante a live desta terça-feira, Marquinhos anunciou que a medida será decretada pelo aumento considerável de casos de coronavírus no município e, consequentemente, aumento na ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Academias, restaurantes, comércios em geral, terão limite de lotação máxima de 40%.

Coronavíruscot1liveMarquinhos TradMato Grosso do SulMáximaMSOcupaçãopeixePrefeitura de Campo GrandePSDrestaurantesToque de RecolherUTI