É cardíaco? Confira os cuidados extras para os dias de calorão

Temperaturas em Mato Grosso do Sul estão chegando aos 40ºC nos últimos dias

As altas temperaturas são vilãs para as pessoas que possuem doenças cardiovasculares, como hipertensão ou arritmias cardíacas. O calor em grande excesso causa a queda da pressão arterial e pode trazer problemas para os cardíacos.

Segundo o médico cardiologista Marcelo Martin, os riscos de complicações em dias muito quentes são maiores em idosos com problemas de coração.

“Pode ocorrer hipotensão [pressão baixa], aumentar a frequência cardíaca, arritmias. O paciente pode vir a sentir dor precordial [no peito] pelo aumento da frequência cardíaca”, disse ele ao Jornal Midiamax.

Martin explicou que com o aumento da temperatura externa, da mesma forma o organismo vai tentar compensar para não ter aumento na temperatura interna.

Segundo ele, em um primeiro momento, por conta da dilatação dos vasos sanguíneos e do suor, do mesmo modo a frequência cardíaca aumenta, causando também a baixa na pressão arterial.

“Num segundo momento o paciente começa a perder muito líquido e o organismo responde causando uma vasoconstrição [compressão dos vasos] para barrar esse processo todo”, esclareceu ele.

“[…] além da pressão da frequência cardíaca aumentada, o paciente tende a aumentar a pressão também para poder compensar essa perda e novamente pode causar os mesmos sintomas: dor no peito e pode até ter AVC [Acidente-Vascular-Cerebral]”, continuou.

Hipertensa há muitos anos, a aposentada Matilde da Silva contou que é muito comum a pressão dela aumentar quando fica muito tempo exposta ao calor.

“Não saio sem meu remédio na bolsa”, disse ela, explicando que já sentiu mal-estar no Centro de Campo Grande e posteriormente precisou recorrer ao medicamento para normalizar a pressão.

Recomendação

A indicação dada pelo especialista é que os cardíacos ou os que estejam em tratamento evite a exposição excessiva ao sol. Além disso, evite fazer atividade física exaustiva, bem como manter o corpo sempre hidratado.

“Aqueles que tiverem ar-condicionado em casa, ficar em temperaturas mais amenas, ou ventilador; ou passar água gelada no corpo […] são mais medidas mais comportamentais”, orientou ele.

Urgência

Em casos mais urgentes, quando a pessoa está passando mal, alguns procedimentos podem ser adotados por quem está perto. O mais indicado, segundo Martin, é chamar a emergência.

“De imediato é colocar [o paciente] em ambiente arejado, tentar evitar aglomerações e chamar a emergência”, recomendou ele.

O médico também orienta para que se for caso de diminuição de pressão, é elevar seus membros superiores, oferecer água caso o paciente consiga beber.

“É uma situação complexa, tem vários tipos de complicações que podem acontecer”, disse, exemplificando que tiver dor no peito pode ser um indício de infarto e o recomendado é chamar diretamente o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

AVCCentro de Campo Grandecot1SAMU