Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas



Blogs
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Campanha esquenta e ex-vice-prefeito troca socos e xingamentos com vereador

02 Advogado criminalista é assassinado com oito tiros neste sábado em Dourados

03 Após briga em família, menina de 12 anos revela que tio a estupra e avô faz denúncia

04 Reinaldo repudia boato e diz que é vítima de mais uma armação

05 Mãe faz o parto de filha adolescente dentro de carro na Avenida Afonso Pena

Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

09/05/2013 08:12

Bombeiro diz que material de incêndio não passa por teste e é ‘do mais barato’

Aumentar texto Diminuir texto

Graziela Rezende

Luiz Alberto

Sargento que participou do combate ao incêndio e rescaldo da Loja de utilidades Planeta, localizada na avenida Afonso Pena e que mobilizou quase uma centena de servidores na última terça (7), disse ao Midiamax que a tragédia mais uma vez mostrou a fragilidade do material utilizado pela corporação, principalmente pela falta de teste e as licitações que exigem a compra ‘do mais barato’.

”A fragilidade das mangueiras ocorre por conta da licitação e com isso a maioria não aguenta sequer um teste básico de pressão. E o pior nisso tudo é que aqui no Estado estes testes nem são feitos e a maioria não sustenta. Tudo o que estou falando foi filmado por centenas de pessoas ontem e a impressão é de ineficiência dos servidores, mas o problema não é nosso e sim do Governo do Estado”, afirma o sargento.

Das 20 mangueiras novas vindas do quartel do aeroporto para o incêndio, apenas duas prestaram, de acordo com o bombeiro. “O material precisa de teste, se aguenta a pressão de um prédio de 12 a 15 andares, por exemplo. Só assim adianta a combinação com a escada Magirus, mas, como a qualidade do material não é testada, a maioria das mangueiras estoura na primeira vez de uso”, explica o sargento.

Questionada sobre o problema, a assessoria de comunicação do Governo informou apenas a compra de 35 novas viaturas para Mato Grosso do Sul, sendo cinco de combate a incêndios para Campo Grande.

Já o chefe de comunicação dos bombeiros, tenente coronel Joilson de Paula, disse que na ocasião as mangueiras furadas pertenciam ao comércio e não a corporação. “Temos centenas de mangueiras com pressão no estoque, tanto nos grupamentos como no Comando Geral. São materiais como qualquer outro com certificado Iso e a empresa realmente ganha pelo menor preço”, conta o coronel De Paula.

Sobre a falta de testes ele garante não serem necessários testes unitários nas mangueiras. “Se fosse assim estaríamos trocando sempre os exemplares, porém se algum apresentar problema rapidamente elas são trocadas rapidamente e não temos histórico deste problema”, avalia o coronel De Paula.

Notícias relacionadas

08/05/2013
19h57 Polícia conclui até sexta, caso do incêndio causado possivelmente por solda, diz delegado
08h51 Trânsito caótico e ‘curiosos’ atrapalharam combate a incêndio, diz coronel dos bombeiros
07/05/2013
18h07 Incêndio na Planeta Real é controlado e três pessoas passam mal
17h28 Cerca de 60 bombeiros trabalham no incêndio e clientes relatam falta de extintores na loja
17h02 Incêndio destrói loja de utilidades na avenida Afonso Pena; veja vídeo


Comentários (25)

09/05/2013 15:14
everton de souza
Dias desse um bombeiro falou que as viaturas -FIAT DUCATO- eram de baixa qualidade e foi afastado das funções. E agora sai no diario oficial a aquisição de viaturas DUCATO- sem licitação- alguem sabe me dizer porque? busquem aquela entrevista por favor e alguem sabe o preço dessas viaturas?

09/05/2013 15:11
veloso
O bombeiro tem mais oficiais q. não fazem nada e ganha muito. Que trabalham são minorias coitados dos soldados.

09/05/2013 14:56
Ânderson
E os dez milhões gastos em publicidade só em janeiro e fevereiro pelo governo do Estado? Não vai falar nada Tribunal de Contas, tão preocupado em fiscalizar as "contas públicas da prefeitura"??? Mesmo assim devemos agradecer a Deus, imagina esse incêndio em qualquer prédio grande residencial, qualquer um com mais de 10 andares. Teríamos uma tragédia sem precedentes na capital.....

09/05/2013 14:53
Carlos Henrique
a concorrência ou o pregão se baseia no menor preço,não interessa a qualidade.lembram dos lençóis do hospital regional que rasgavam na primeira lavagem?a verdade é que o governador não tem coragem de falar que vai comprar mais ambulancias e deixar o combate a incendio em segundo plano e não vai abrir concurso para contratar mais bombeiros pq isso vai ser promessa de campanha.

09/05/2013 14:47
José
Isso é sério ou é piadinha de mal gosto sobre a qualidade dos materiais a adquiridos pelos bombeiros?

09/05/2013 13:20
Marcão
Estes equipamentos de segurança devem atender a norma NBR 11861, se estão comprando porcaria alguma coisa está errada, porque se não atender a norma mesmo o barato está saindo caro.

 Anterior Próximo 
22h33
Leitores enviam fotos de alagamentos e estragos que chuva fez em Campo Grande
22h16
Acidente entre moto e carreta que transitavam no mesmo sentido mata tratorista na Capital
20h30
Agora: Um morre em acidente na Avenida João Arinos em Campo Grande
Entrevista
Diretor do CRA fala da importância do profissional administrador na gestão pública