Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Bastidores

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas






Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Blogs
 Alex Fraga

 Ana Cavalheiro

 Cozinha de Raízes

 Eugênia Amaral

 Falo Blogo Escrevo

 Festas e Eventos

 João Campos Online

 Papo de Pregão
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Ex-Polegar Rafael Ilha é preso com armas na fronteira do Paraguai

02 Depois de declaração de amor em outdoor, ele reconquistou o coração da namorada

03 Vídeo do Midiamax ensina leitor a usar a tecnologia para encontrar celular ou tablet que foi roubado

04 Lei aprovada por deputados de MS exige, a partir de hoje, cartaz sobre 'riscos da carambola'

05 WhatsApp: leitor flagra carro de passeio capotado na BR-262, em Aquidauana

Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

09/05/2013 08:12

Bombeiro diz que material de incêndio não passa por teste e é ‘do mais barato’

Aumentar texto Diminuir texto

Graziela Rezende


Luiz Alberto

Sargento que participou do combate ao incêndio e rescaldo da Loja de utilidades Planeta, localizada na avenida Afonso Pena e que mobilizou quase uma centena de servidores na última terça (7), disse ao Midiamax que a tragédia mais uma vez mostrou a fragilidade do material utilizado pela corporação, principalmente pela falta de teste e as licitações que exigem a compra ‘do mais barato’.

”A fragilidade das mangueiras ocorre por conta da licitação e com isso a maioria não aguenta sequer um teste básico de pressão. E o pior nisso tudo é que aqui no Estado estes testes nem são feitos e a maioria não sustenta. Tudo o que estou falando foi filmado por centenas de pessoas ontem e a impressão é de ineficiência dos servidores, mas o problema não é nosso e sim do Governo do Estado”, afirma o sargento.

Das 20 mangueiras novas vindas do quartel do aeroporto para o incêndio, apenas duas prestaram, de acordo com o bombeiro. “O material precisa de teste, se aguenta a pressão de um prédio de 12 a 15 andares, por exemplo. Só assim adianta a combinação com a escada Magirus, mas, como a qualidade do material não é testada, a maioria das mangueiras estoura na primeira vez de uso”, explica o sargento.

Questionada sobre o problema, a assessoria de comunicação do Governo informou apenas a compra de 35 novas viaturas para Mato Grosso do Sul, sendo cinco de combate a incêndios para Campo Grande.

Já o chefe de comunicação dos bombeiros, tenente coronel Joilson de Paula, disse que na ocasião as mangueiras furadas pertenciam ao comércio e não a corporação. “Temos centenas de mangueiras com pressão no estoque, tanto nos grupamentos como no Comando Geral. São materiais como qualquer outro com certificado Iso e a empresa realmente ganha pelo menor preço”, conta o coronel De Paula.

Sobre a falta de testes ele garante não serem necessários testes unitários nas mangueiras. “Se fosse assim estaríamos trocando sempre os exemplares, porém se algum apresentar problema rapidamente elas são trocadas rapidamente e não temos histórico deste problema”, avalia o coronel De Paula.

Notícias relacionadas

08/05/2013
19h57 Polícia conclui até sexta, caso do incêndio causado possivelmente por solda, diz delegado
08h51 Trânsito caótico e ‘curiosos’ atrapalharam combate a incêndio, diz coronel dos bombeiros
07/05/2013
18h07 Incêndio na Planeta Real é controlado e três pessoas passam mal
17h28 Cerca de 60 bombeiros trabalham no incêndio e clientes relatam falta de extintores na loja
17h02 Incêndio destrói loja de utilidades na avenida Afonso Pena; veja vídeo


Comentários (25)

09/05/2013 15:14
everton de souza
Dias desse um bombeiro falou que as viaturas -FIAT DUCATO- eram de baixa qualidade e foi afastado das funções. E agora sai no diario oficial a aquisição de viaturas DUCATO- sem licitação- alguem sabe me dizer porque? busquem aquela entrevista por favor e alguem sabe o preço dessas viaturas?

09/05/2013 15:11
veloso
O bombeiro tem mais oficiais q. não fazem nada e ganha muito. Que trabalham são minorias coitados dos soldados.

09/05/2013 14:56
Ânderson
E os dez milhões gastos em publicidade só em janeiro e fevereiro pelo governo do Estado? Não vai falar nada Tribunal de Contas, tão preocupado em fiscalizar as "contas públicas da prefeitura"??? Mesmo assim devemos agradecer a Deus, imagina esse incêndio em qualquer prédio grande residencial, qualquer um com mais de 10 andares. Teríamos uma tragédia sem precedentes na capital.....

09/05/2013 14:53
Carlos Henrique
a concorrência ou o pregão se baseia no menor preço,não interessa a qualidade.lembram dos lençóis do hospital regional que rasgavam na primeira lavagem?a verdade é que o governador não tem coragem de falar que vai comprar mais ambulancias e deixar o combate a incendio em segundo plano e não vai abrir concurso para contratar mais bombeiros pq isso vai ser promessa de campanha.

09/05/2013 14:47
José
Isso é sério ou é piadinha de mal gosto sobre a qualidade dos materiais a adquiridos pelos bombeiros?

09/05/2013 13:20
Marcão
Estes equipamentos de segurança devem atender a norma NBR 11861, se estão comprando porcaria alguma coisa está errada, porque se não atender a norma mesmo o barato está saindo caro.

 Anterior Próximo 
12h35
STJ acata recurso do MP e restabelece sentença de homem que roubou pacote de biscoito
12h35
Motorista conta que não viu quando atropelou o motociclista no Jardim Canguru
11h49
Instalação de unidade de acolhimento será acompanhada pelo Ministério Público
Entrevista
“Queremos fomentar o comércio e ajudar as associações a conquistar espaço”, diz presidente da Faems