Midiamax
BUSCA: 
Editorial
TURISMO CADAVÉRICO
O prefeito de Bonito quer desbancar o saudoso personagem Odorico Paraguaçu. Mas a vida não imita a arte. Acorda desse pesadelo, Excelência!
Leia na íntegra
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas



Blogs
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Nelsinho, governo e vereador terão destino traçado pelo MPE nos próximos dias

02 Após eleições, 10 cargos federais viram alvo de políticos em Mato Grosso do Sul

03 Carro com duas crianças vai parar em cima de outro em colisão na Vila Bandeirante

04 Dupla armada com pistola rende família no meio da manhã e rouba carro em Campo Grande

05 Derrotado, Londres será responsável por conduzir acordo do PR com Azambuja

Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

10/03/2013 15:05

Após denuncias de famílias do MST, Incra encaminha nota de esclarecimento

Aumentar texto Diminuir texto

Diana Gaúna

A Superintendência Regional do INCRA no estado de Mato Grosso do Sul vem a público, em razão dos acontecimentos narrados na mídia digital do estado de que “Agentes do Incra jogam alimentos no chão para o MST de Batayporã”, esclarecer: 1.

A equipe da Superintendência Regional do INCRA, responsável pela entrega de cestas básicas às famílias acampadas, deslocou-se ao Acampamento Florestan Fernandes, municipio de Batayporã/MS, em 06 de março do corrente, informando aos coordenadores Hernandes Saldanha Silva e Adriana Aparecida Lopes, que as famílias, cadastradas no SIFA (Sistema de Informação de Famílias Acampadas), 148 no total, seriam contempladas com cestas básicas de alimentos, destinadas àquele acampamento; 2.

A equipe da Superintendência Regional do INCRA, informou que obedeceria a recomendação do Ministério Público Federal (MPF), e da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) de que as cestas básicas seriam entregues apenas às famílias cadastradas e presentes ao local (entrega individualizada). Nessa mesma data foi realizado o recolhimento de assinaturas das famílias presentes e constatou-se a presença de apenas 87 famílias cadastradas, no acampamento; 3.

As divergências tiveram início quando a coordenação do acampamento exigiu que as cestas de alimentos das 61 famílias cadastradas, mas não presentes ao acampamento, fossem entregues às lideranças para posterior repasse à essas famílias, o que foi negado pela equipe do INCRA responsável pela entrega, visando evitar a má utilização do benefício, que deve ser individualizado; 4.

Exigiram, também, que 30 famílias presentes ao local, não cadastradas no sistema de controle, fossem contempladas com as cestas destinadas às famílias cadastradas não presentes, o que foi, também, negado pela equipe presente, por ser um procedimento condenado pelos órgãos de controle; 5.

No dia 07 de março a equipe do INCRA retornou ao acampamento, acompanhada por uma equipe do 3º Grupamento da Polícia Militar de Batayporã-MS, para proceder a entrega das cestas, para as famílias comprovadamente acampadas e cadastradas no SIFA, dando início à montagem das mesmas. 6.

Durante o processo de montagem das cestas, procedimento necessário, uma vez que alguns produtos são disponibilizados em sacas de 60 kg e necessitam ser individualizadas, algumas embalagens de arroz e leite integral foram danificadas e romperam, sendo imediatamente substituídas. A liderança se aproveitou desse fato e realizou o registro fotográfico da ocorrência, alegando que as fotos seriam encaminhadas para a coordenação do movimento em Brasília, utilizando-as, também, nas manifestações do dia 08 de março; 7.

A Superintendência Regional do INCRA lamenta que a liderança local que deveria condenar atos de baderna e vandalismo, esteja atuando de forma a denegrir o trabalho da autarquia, tentando jogar a sociedade contra o trabalho árduo que realizamos para atender as famílias verdadeiramente acampadas e que necessitam do apoio da administração pública; 8.

Informa o INCRA, ainda, que continuará procedendo nos exatos limites da lei, a defesa do Programa Nacional de Reforma Agrária, que é um dos grandes instrumentos de combate à pobreza no campo, devendo estar imune às ações de pessoas inescrupulosas que defendem a entrega de cestas a famílias não acampadas e que não necessitam do apoio do poder público, em detrimento de famílias que verdadeiramente necessitam do apoio das políticas públicas de combate à fome; 9.

O INCRA deixa claro que mantém um permanente e proveitoso diálogo com os movimentos sociais, respeitando suas posições e se coloca sempre à disposição dos mesmos para discussão dos rumos da Reforma Agrária no estado. Entretanto, cabe ao INCRA, por lei, a gestão do Programa Nacional de Reforma Agrária e, somente a ele, amparado na legislação de regência, o direcionamento e condução dos trabalhos em comento.

Atenciosamente,

Celso Menezes de Souza

Superintendente Regional Substituto

INCRA SR-16/MS

Notícias relacionadas

10/03/2013
12h17 Famílias do MST denunciam Incra por jogar cestas básicas em vez de distribuir


12h20
Brasil vai medir temperatura de passageiros vindos de países com surto de ebola
12h02
Barrados no estacionamento, terceirizados do HU se dizem discriminados pelo hospital
11h38
Dinheiro para pagar aumento de professores da Capital poderá vir de concessionária
Entrevista
Diretor do CRA fala da importância do profissional administrador na gestão pública