Você está aqui

Para qual cama eu vou? Escolha da hospedagem pode ser tão interessante quanto destino

Saiba mais sobre diferentes hospedagens nesta coluna

** A partir desta quarta-feira (30), temos um novo colaborador na coluna de viagem semanal do MidiaMAIS: o jornalista e personal traver Renato Lima. Acompanhe! 

Você demorou uma semana para escolher o destino da sua viagem e fazendo o roteiro e vai reservar o primeiro hotel que aparecer na promoção? Claro que não! Existe uma gama de possibilidades diferentes e muito interessantes de hospedagem que vão transformar sua viagem em uma experiência única, inclusive quando você estiver dormindo!
Hostel, AirBnB, Couch Surfing são algumas opções de hospedagem que definitivamente destronaram o clássico e previsível hotel.

Eu já utilizei todas essas opções e vira e mexe as pessoas me perguntam: qual é o melhor tipo de hospedagem? Então eu respondo com várias outras perguntas: Qual o perfil da sua viagem? Quanto você pretender gastar? Vai viajar só ou acompanhado? O que você valoriza em uma viagem? Na real, não sei se eu acabo ajudando ou confundindo, ainda mais, essas pessoas. Então resolvi reunir algumas informações sobre cada tipo de hospedagem para você comparar e considerar na sua próxima viagem! 

 

Hotel é o investimento mais alto e prima pelo conforto / Foto: TravelGuide/Reprodução

 

HOTEL

sim, ainda é a opção mais segura de hospedagem, privacidade e conforto (em alguns casos) são as maiores vantagens. Só cuidado com sites de busca que prometem oferecer descontos estratosféricos nas diárias. Em muitos casos os valores aparecem menores, mas na hora de fazer o pagamento surgem umas taxas inexplicáveis. Fato é que a concorrência, em geral, fez o setor baixar os preços. Em Miami, por exemplo, é possível encontrar diárias de hotel a partir de R$ 70 reais! Na Argentina, o governo retirou o imposto IVA de estrangeiros e hospedar em hotel ficou cerca de 20% mais barato para brasileiros. Aqui no Brasil, os preços de hotel variam tanto quanto a qualidade dos quartos. Fato é que a tarifa balcão é mais alta que reservar via agência de viagem e na hora de pagar prepare o bolso para acréscimo de ISS e taxas que podem elevar o preço entre 5% a 10%. Mas se você quer tomar café antes de sair e encontrar a cama arrumada quando voltar, o hotel foi feito para você!

HOSTEL

Antigamente era chamado de albergue da juventude, porém, passou por uma reestruturação de marketing para tirar a imagem de bagunça e pouca higiene. Em alguns casos isso funcionou, principalmente no exterior. Se for para Europa é uma opção de baixo custo, porém, a principal vantagem é o relacionamento. Se você viaja só, quer conhecer gente, se enturmar com outros turistas, descolar festas, passeios e companhias é a melhor opção. Desde que você não ligue em dormir em beliche e dividir o quarto com até 11 pessoas, um banheiro unisex e consiga dormir com barulho. Geralmente os hostels são bem localizados, isso é fundamental, significa economia em transporte e condições de deslocamento a pé. Pagando mais, há a possibilidade de reservar um quarto privativo, com um banheiro só para você. Alguns hostels cobram o aluguel de toalhas de banho e roupa de cama e nem todos oferecem café da manhã. Item fundamental para se hospedar em um hostel é levar o próprio cadeado. Trust me!
Onde encontrar: www.hostelworld.com  e www.hihostels.com 

COUCH SURFING (CS)

Ao estilo “mi casa, su casa”, é uma rede de relacionamento para hospedagem com usuários do mundo inteiro e o melhor, é de graça! Porém, parar participar é preciso criar um perfil e as solicitações tanto para se hospedar quanto para hospedar algum viajante depende do grau de confiabilidade desse perfil. Ou seja, invista no relacionamento antes de sair pedindo pouso por aí! Assim como o nome diz, espere dormir em um sofá, se oferecerem a cama é lucro. A grande sacada do CS nem é o custo zero, mas a possibilidade de dormir na casa de um morador da cidade, conhecer a intimidade e a rotina dos locais. Viajantes solitários tem mais chances de conseguir hospedagem do que quem viaja acompanhado. Reserve tempo para passar com seu host, ele vai pedir para você cozinhar algum prato da sua cultura.
Onde encontrar: www.couchsurfing.com 

 

AIRBNB é opção econômica / Foto: Airbnb/Reprodução

 

AIRBNB

Já ouviu a expressão americana “make yourself confortable” ? (sinta-se em casa). É a grande queridinha dos brasileiros que adoram economizar! No exterior já está bem consolidada como uma opção segura de hospedagem. Funciona a partir do site ou aplicativo. As pessoas cadastram suas casas: pode ser o imóvel inteiro, um quarto privativo, ou até mesmo uma cama. Cada opção tem um preço e o pagamento é feito via cartão de crédito direto pelo site (não há outra forma de pagamento!)

Entre as vantagens, os preços são geralmente mais baratos que hotel, oferece mais privacidade que hostel e algumas semelhanças do Couch Surfing, quanto a conhecer mais sobre a rotina dos moradores. Viajando em grupo é possível alugar uma casa inteira e mobiliada e cozinhar lá, economizando muito com alimentação durante sua viagem.  Fique de olho na localização. Em alta temporada os valores sobem bastante! Há uma versão específica para o público gay, o Mister BnB garante uma acolhida sem preconceitos!
Onde encontrar: www.airbnb.com.br e www.misterbandb.com 

*Renato Lima é jornalista e personal travel. Já viajou por 25 países e está no quarto passaporte. É autor do blog www.renatolalonge.wordpress.com  Publica todas as quartas sobre viagens, turismo e vida no exterior. Fale com o autor: renato.mart@gmail.com (67) 99245-7574.

Tópicos