Você está aqui

Prefeitura admite dívida de R$ 62 milhões com convênio do IMPCG

Valor deverá ser pago em 40 vezes

A Prefeitura Municipal de Campo Grande admitiu uma dívida de R$ 62 milhões com o custeio do Servimed (Serviço de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos Municipais), convênio pelo qual os servidores do município podem realizar exames e consultas médicas cobertas pelo IMPCG (Instituto Municipal de Previdência de Campo Grande).

A informação se tornou pública nesta quarta-feira (21), com a publicação de um termo de acordo de parcelamento de débitos por parte do IMPCG, no Diogrande. O termo foi celebrado em uma reunião do conselho administrativo do Servimed.

Pela decisão do conselho, a Prefeitura deverá depositar os R$ 62 milhões em 40 parcelas no Fundo de Assistência à Saúde do Servidor Municipal,  para cobrir o valor devido referente a contribuições do convênio não recolhidas na data de seus vencimentos.

Há semanas, servidores do município reclamam que médicos e laboratórios estariam deixando de atender os convêniados do Servimed pois o IMPCG (Instituto Municipal de Previdência de Campo Grande), responsável pelos pagamentos do convênio, não estaria repassando o valor aos trabalhadores da saúde.

Médicos ouvidos pelo Jornal Midiamax relataram que a situação vem ocorrendo desde setembro. Segundo a deliberação, os valores devidos pela administração pública para manutenção do ServiMed deverão ser depositados no Fundo de Assistência à Saúde do Servidor Municipal.

Ainda de acordo com a deliberação, o primeiro pagamento deverá ser efetuado ao fim de janeiro, um mês após a publicação da decisão do Conselho. O pagamento dos valores das 40 parcelas será efetuado mensalmente, no último dia de cada mês.

(sob supervisão de Evelin Araujo)

 

Tópicos