Você está aqui

Venda da folha de pagamento está na reta final, diz Marquinhos

Prefeito falou sobre finanças do Município

Está em fase final a negociação para venda da folha de pagamento da Prefeitura, segundo adiantou o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), durante agenda pública na manhã deste sábado (21). No entanto, ele não quis detalhar os trâmites. O intuito é arrecadar no mínimo R$ 50 milhões com a transição, valor este que estará nos cofres públicos no dia 1º de dezembro e já tem destino: o 13º salário dos mais de 23 mil servidores municipais.

“Não posso falar mais elementos, seria falta de ética, quebra de sigilo com a instituição”, disse se referindo ao banco que está lidera o processo de compra da folha, hoje sob responsabilidade do Bradesco. Embora a venda esteja sendo feita agora, o vencedor da licitação só se apropriará das contas dos funcionários em julho do ano que vem, quando acaba o contrato em vigência.

Sobre o pagamento de novembro, o prefeito voltou a falar sobre as dificuldades financeiras que o Executivo passa, mas descartou atraso. No entanto, ao ser questionado se novamente o depósito do pagamento ficará para o 5º dia útil como ocorreu em outubro, ele foi direto. “Não tenho bola de cristal, se tivesse daria o número da Mega Sena”.

Desde o início do ano esta foi a primeira vez que o salário foi pago no último dia do prazo previsto em lei. Ele explicou que após agosto a arrecadação do Município cai, tanto em relação a repasses dos governos Federal e Estadual, que já estão baixos, quanto com impostos como o IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano) que é parcelado geralmente em seis meses.

Por isso, foi lançado o PPI (Programa de Parcelamento Imobiliário), espécie de Refis que permite ao cidadão inadimplente renegociar dívidas com a Prefeitura com abono de até 90% no valor da multa. Os interessados têm até o final deste mês para fechar acordo.  

Tópicos