Você está aqui

Com planos de voltar ao poder, PMDB-MS recebe filiação de prefeito

Partido realiza neste sábado a convenção partidária

Na convenção estadual deste sábado (2), o PMDB, do ex-governador André Puccinelli, recebe a filiação do prefeito de Costa Rica, Waldeli dos Santos Rosa. Ele é apontado como plano B do partido, que quer voltar a comandar o Poder Executivo em Mato Grosso do Sul.

O evento marca também a posse do ex-governador no comando da sigla. Serão eleitos os novos membros do diretório e a Comissão Executiva, que irá comandar o partido nas eleições de 2018.

Puccinelli irá suceder o deputado Junior Mochi. O novo mandato vai até 2019. E a convenção será realizada das 8h às 11h no Clube Nipo Brasileiro, em Campo Grande.

A convenção chegou a ser adiada duas vezes. Anteriormente agendada para o dia 11 de novembro, a convenção havia sido adiada para o dia 18 daquele mês, para não concorrer com as convenções de PSDB e PDT.

Depois, ela foi novamente adiada por conta da prisão de André Puccinelli na operação Papiros de Lama. Ele é suspeito de liderar um grupo criminoso responsável por superfaturar obras públicas, simular compras, cobrar propinas e lavar dinheiro.

O ex-governador passou a noite na prisão, mas foi solto no dia 15, por decisão do desembargador federal Paulo Fontes, do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região).

Apesar da prisão, lideranças do PMDB ainda apontam o nome de André Puccinelli como a principal opção para disputar a sucessão do governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Regras

Apesar de contar com cerca de 11 mil filiados, apenas os 71 membros do diretório, os cerca de 100 delegados municipais e os parlamentares do partido terão direito a voto na convenção.

Além do ex-governador André Puccinelli, serão eleitos três vice-presidentes; secretário geral; secretário adjunto; 1º e 2º tesoureiros; 1º, 2º e 3º vogais, o Conselho Fiscal e os suplentes.

Tópicos