Você está aqui

Gaeco não confirma nome de secretário em investigação de esquema de propina

Entre os alvos dos agentes estavam 2 servidores do Fisco

Rumores de que um secretário de Estado figura na investigação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) sobre um suposto esquema de pagamento propina em municípios na região Bolsão, não foram confirmados pelo MPE-MS (Ministério Público Estadual).

Na última segunda-feira (13), o Gaeco cumpriu 16 mandados de busca e apreensão, quatro de prisão temporária e seis de condução coercitiva, nas cidades de Chapadão do Sul, Aparecida do Taboado, Cassilândia e Paranaíba. Dois servidores do Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda) estavam entre os alvos dos agentes.

Apesar de não divulgar os nomes dos suspeitos, o Gaeco limitou-se a dizer que não confirma que um secretário figuraria na investigação, tampouco os detalhes do esquema que teria participação de dois servidores da Sefaz, auditores fiscais, lotados nos municípios de Paranaíba e Cassilândia.

Reforma

O governo prometeu anunciar oficialmente na próxima segunda-feira (20), detalhes da reforma administrativa anunciada pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que inclui extinção de secretaria, como a Casa Civil que deverá ser incorporada à Segov (Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica).

Apesar de não confirmar a saída do atual chefe da Casa Civil, Sérgio de Paula (PSDB), interlocutores do governo tucano revelam que o principal articulador político de Reinaldo não deve permanecer com cargo na gestão, mas sim assumir funções partidárias. 

Tópicos