Você está aqui

Deputados de MS acreditam que reforma deve ser aprovada apenas em 2018

Previdência deve ser pautada em julho

Deputados federais por Mato Grosso do Sul que estiveram nesta segunda-feira (19) em Campo Grande no evento de assinatura de ordem de serviço após liberação de emendas parlamentares disseram acreditar que a reforma da previdência não deverá ser aprovada neste ano no Congresso.

Com previsão para ser colocada em votação na primeira quinzena de julho, a aprovação deve ficar apenas para 2018 por adequações no texto. Para Zeca (PT), o presidente Michel Temer até teria base política para concluir a gestão, mas não forte o suficiente para aprovar a reforma ainda neste ano, após o escândalo da JBS.

Neste fim de semana, a Revista Época publicou uma entrevista com Joesley Batista, dono da empresa, afirmando que Temer seria “o chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil”.

Tereza Cristina afirmou que o presidente terá “sérias dificuldades por vivenciar um momento de fragilidade” e que terá que fazer adaptações no texto que já tramita se quiser aprová-lo. A deputada afirmou que teria que avaliar se seria bom ou ruim para o país votar contra ou a favor de um possível pedido de afastamento contra Temer.

Elizeu Dionizio disse que acredita ser difícil a aprovação da reforma. “Não votaria pela reforma hoje e também votaria pelo afastamento, se ele fosse pedido”.

O governo afirma que as despesas do INSS estão em torno de 8% do PIB e, “se nada for feito, as projeções para 2060 apontam que o percentual deve chegar a 18%, índice que inviabilizaria a Previdência”.

Em 2016, somente o déficit do Regime Próprio dos Servidores da União (civis e militares) passou de R$ 77 bilhões.

Tópicos