Você está aqui

Deputados estaduais criticam cobertura das grandes mídias sobre greve geral

'Tom da cobertura jornalística'

No dia em que milhões de trabalhadores pararam o país contra as reformas da previdência e trabalhista, a grande mídia não repercutiu a representatividade do movimento realizado na última sexta-feira. A bancada do PT na Assembleia Legislativa, na sessão desta terça-feira (5), criticou o tom da cobertura jornalística. “Nos telejornais só vimos falar de depredações e badernas nas ruas. Participei dos atos em Campo Grande e constatei a insatisfação dos trabalhadores e trabalhadoras sul-mato-grossenses com as reformas propostas pelo Governo Federal”, afirmou Pedro Kemp.

O deputado concluiu que os grandes veículos têm agido de forma tendenciosa, a serviço dos empresários e do governo. “Isso não é liberdade de imprensa. O fato foi noticiado a partir de uma visão. As imagens divulgadas no dia 28 foram parciais e revelam que a mídia se rendeu aos interesses do Governo Federal. Graças às redes sociais houve o contraponto e o recado da greve geral foi dado, o povo não aceita as reformas que suprimem direitos e precarizam o trabalho”.

Para Amarildo Cruz, a posição da grande mídia não ajuda no crescimento do Brasil, pelo contrário, compromete ainda mais as relações políticas e sociais. “Houve manipulação da informação quando a grande mídia não relatou com fidelidade o que se passou de fato. O recado dos movimentos nas ruas foi o repúdio contra a agenda de reformas que não possuem apoio popular”.

João Grandão também lamentou as matérias produzidas pelos veículos e reprovou as reformas que tramitam no Congresso Nacional. “Não são reformas, mas deformas de direitos e da dignidade dos trabalhadores brasileiros”, classificou o deputado.    

Tópicos