Você está aqui

VÍDEO: presos suspeitos de matar e filmar esquartejamento na Capital

Presos seriam integrantes do PCC

Equipes do GOI (Grupo de Operações e Investigações da Polícia Civil), Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), Piratininga e 5ª Delegacia de Polícia Civil prenderam supostos integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital), apontados como responsáveis pela execução filmada de Fernando Nascimento dos Santos, de 22 anos, encontrado esquartejado na última quarta-feira (16), no Bairro Los Angeles, em Campo Grande.

A guerra entre facções em Campo Grande já era apontava como causa da morte do jovem encontrado esquartejado. Porém, após dois vídeos passarem a circular na internet, um dia após o achado do corpo, a suspeita foi reforçada. Nas gravações que viralizaram via WhatsApp, Fernando aparece pedindo desculpa à facção e, em seguida, é degolado por um homem encapuzado.

A vítima foi encontrada decapitada e desmembrada. Além disso, o jovem teve o coração retirado do corpo. A crueldade do crime chamou atenção dos policiais que atenderam a ocorrência. Segundo eles, a suspeita era de que o rapaz fosse vítima de um acerto de contas entre facções, o PCC (Primeiro Comando da Capital) e o Comando Vermelho.

Às 10h, a Polícia Civil realiza uma coletiva de imprensa para divulgar mais detalhes sobre as prisões dos suspeitos.

Assista a chegada dos suspeitos na delegacia:

Crime

O corpo de Fernando Nascimento dos Santos foi deixado pelos autores do crime nas margens de uma estrada vicinal, que liga a Rua Engenheiro Paulo Frontim ao Macroanel, no Los Angeles, na manhã do dia 16 de agosto.

A vítima foi encontrada por populares enrolado em um cobertor, decapitada e desmembrada. A perícia esteve no local e, em princípio, não encontrou qualquer identificação com a vítima. O corpo foi enviado ao Imol (Instituto Médico e Odontológico Legal), onde passou por exames e em seguida foi identificado pela mãe, que veio a Capital da cidade de Nova Alvorada do Sul. 

Após identificar Fernando, mãe e cunhada seguiram para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Piratininga, onde foram ouvidas.

Informações de familiares dão conta de que o rapaz trabalhou por algumas semanas em um lava jato do município, e na segunda-feira (14), teria pedido dispensa da empresa alegando que iria buscar uma oportunidade de emprego em Campo Grande.

(Com colaboração Geisy Garnes)

 

Tópicos